30/12/2006
Ano 10 - Número 509

ARQUIVO
AIRO ZAMONER

 


Airo Zamoner
  



Sorriso sem-vergonha
 

Nemésio acordou disposto naquele dia. Comemorava mais um ano de vida, além dos sessenta completados ano passado. Todos notaram sua alegria, seu otimismo e estranharam. Estranharam, porque há anos andava macambúzio, deprimido, descontente com o mundo, ranzinza, chato, enfim. Estranharam, porque de repente ele se levantou, espirrando alegria pela cara. Estranharam mais ainda, porque não cumprimentou ninguém. Nem olhou para a mulher, para os filhos, para a Bástia, a velha empregada herdada dos pais de Custódia.

Cantarolando, barbeou-se e, durante o café, mexia-se desenvolto. Não respondeu aos cumprimentos. Fugiu dos abraços, constrangendo até o Bica, netinho de oito anos, órfão de pai, que de mochila a tiracolo tentou abraçá-lo. Custódia o repreendeu firmemente, argüindo-o sobre a razão daquele comportamento estapafúrdio.

Nemésio não se abalou. Não respondeu. Sequer perturbou seu cantarolar de um samba antigo de Noel. Pegou sua pasta, sorriu para ela. Abraçou-a com carinho inusitado, fechando os olhos, esboçando um ar de apaixonado. Acariciou o chaveiro com estranho cuidado e delicadeza, demorando um bom tempo sob os olhares atônitos da família.

Já na porta, voltou-se, deparado com aquele grupo de pessoas assustadas. Por um momento, todos acharam que era uma grande brincadeira e que agora correria para elas num abraço coletivo. Mas, não! Ele apenas dirigiu o olhar para o teto, para as luzes, para os quadros na parede, para os bibelôs encardidos da cristaleira e, sempre olhando para eles, acenou em despedida. Jogou beijos, sumiu.

Apinharam-se na janela e ainda puderam ver Nemésio saltitando felicidade desusada. Quando desapareceu na esquina, voltaram-se em olhares de estupefação.

Custódia foi a primeira a falar, tranqüilizando a turma de que aquilo só podia ser uma crise da idade e que tudo voltaria ao normal na hora do almoço.

E quem disse que Nemésio voltou para o almoço? Buscas daqui e dali, constataram que nem ao trabalho compareceu. Sumira!

Organizaram as buscas. Mobilizaram parentes, amigos, vizinhos, conhecidos, bares e clubes da redondeza. Nem um único sinal do Nemésio.

No dia seguinte, a casa amanheceu cheia de gente querendo ajudar, mas a conclusão era uma só. Tinham que partir para a polícia, para hospitais e, quem sabe, até para necrotérios.

Depois de dez dias, o desânimo era total. Apelaram para a imprensa, para a Internet. Sua foto foi publicada em toda parte. Um grupo de colegas de trabalho imprimiu cartazes; forraram o bairro.

Custódia chorava pelos cantos sujos da casa. Bástia molhava o avental de lágrimas abundantes. E Bica já nem lembrava que um dia tivera um avô.

Vencidos pelo cansaço e pelas evidências dos meses corridos, foram retornando à pachorrenta rotina antiga. As coisas foram aos poucos se ajeitando.

O vizinho advogado, prontificou-se a mexer com a papelada. Custódia precisava receber o seguro, a pensão. A vida tinha que prosseguir.

Algo, porém, intrigava Custódia. Por que naquele dia Nemésio não olhou para ninguém? Por que apenas os objetos foram alvo de seu interesse? O amigo psicólogo tentou explicar. Custódia não conseguiu entender aquela conversa estranha sobre o desencanto com o mundo, com as pessoas e uma substituição de sentimentos em direção aos objetos.

Bica foi quem puxou Custódia e a mãe pela mão para dentro do museu. Ele insistia para ver o avô. De nada adiantou dizer que Nemésio havia sumido para sempre. Quando entraram, Bica soltou-se das mãos, correu certeiro até a mais nova aquisição do museu local: a estátua de um homem sorridente, envolto por objetos de todos os tipos e cores. Alguém fizera a doação. O material e a origem estavam sendo investigados. Eram desconhecidos. Bica se abraçou à escultura. No meio de tantas coisas coloridas, o rosto de Nemésio sorria um congelado sorriso sem-vergonha.


(30 de dezembro/2006)
CooJornal no 509


Airo Zamoner
escritor, colunista do jornal O ESTADO DO PARANÁ
autor do livro
“Vim te contar vinte contos”, Ed.Protexto, 2006
Curitiba - PR
airo@protexto.com.br