ANTONIO JÚNIOR


Antonio Júnior é poeta, jornalista e viajante. Nascido  no Sul da Bahia, viveu em vários países europeus, numa busca constante de imagens, sensibilidades e conhecimentos. Publicou em Portugal Retratos em Preto & Branco - Contos Góticos de Madrid (1996), Ficar Aqui Sem Ser Ouvido Por Ninguém (1998) e Caprichos (1998). É autor de vários obras inéditas. Correspondente do  jornal A Tarde, de Salvador de Bahia, escreve também para as revistas Simples? (Sao Paulo) e Salamandra (Madrid), para a web Macunaíma (Rio  de Janeiro), e alguns jornais de Lisboa. Escreve atualmente a novela Dias Contados,  entrevistou recentemente os escritores Gunter Grass e Isabel Allende. Mora em Barcelona.
             

Algumas de suas obras:

CINCO POEMAS DE ANTONIO JÚNIOR (do livro CAPRICHOS)

UM BREVE ASSOMBRO

O PRAZER DA ESCRITA

AQUI, PARA APRENDER

ÁNGELES- NO LIMITE DO SILÊNCIO

 


CINCO POEMAS  DE ANTONIO JÚNIOR (do livro CAPRICHOS)

não há regresso.
tornar a enxergar vastidões de relâmpagos,
de rústicas madrugadas.
sabás do que nem sei,
do que nunca suspeitei: uma plenitude,
um sinal celeste, o demoníaco
fio que conduz ao inumano,
neste tempo de enganos.
não há regresso.

sou um cântico
esmagado dentro do silêncio
um cigano
uma estrada imunda até à lua
eu sou a lua
um retrato
de um bar numa longínqua madrugada
um fósforo de faíscas púrpuras
um tubarão em oceanos nunca mergulhados
um deserto escarlate, uma chuva generosa
uma chuva de seiva - fácil, única
uma carta que não sabe onde você mora,
não encontra o diáfano caminho
que guarda palavras em todas as línguas,
todas as preces
e interroga:"que acontecia se eu voltasse,
se você voltasse?"

lobos existem, assim como raposas e víboras, mas
o que tenho não merece cobiça:
          um nome que  é um hábito impertinente
que nem sequer exala o bálsamo
de tantas folhas miúdas
que nascem subitamente ao amanhecer.

escuto o silêncio.
é coisa para doidos, como esperar a nudez
de um amanhecer cinzento
ou seguir em transe uma abelha de
flor em flor.
a música
do silêncio-jazz.
para não extinguir a esperança
do inominável mistério.
mistério meu, que muito quero.
aceitando tudo, vomitando tudo.
aproximo os ouvidos: não existe terra,
não existe céu. tão somente a vida é lenda.
escuto, escuto. o silêncio-jazz.

vou por onde acaba o nascimento,
por entre pressentimentos.
a inquietação - como roer a arte, a vida, Deus? - é
protagonista de minha história comum
de minha história em mim que me
persegue e me foge
conflito por dizer que vivo que consigo ver
enquanto chove nesta escuridão lisboeta
de dezembro
e caminho à margem do Tejo
constelação líquida de todas as águas do mundo
e poderei viver ao sabor de uma conversa abstrata
enquanto se fala e se volta a esquecer
o essencial


Conheça um pouco mais de Antonio Júnior em sua entrevista ao jornalista 
Carlos Leite Ribeiro, em Cá Estamos Nós.

 

 
   

 

Esta página é parte integrante da Revista Rio Total

 

Editoração
Irene Serra
irene@riototal.com.br