ROSY FEROS


A autora vive em Santos desde que nasceu, em 17 de outubro de 1971. Em 1992, graduou-se em Comunicação Social pela Universidade Católica de Santos. Aluna de Publicidade e Propaganda, iniciou suas pesquisas em Psicologia do Consumidor, com ênfase em Psicologia Analítica/Junguiana, direcionando sua pesquisa autodidata para a exploração das motivações psico-mitológicas femininas.

Poemas seus podem ser encontrados nas seguintes obras: "Antologia Poética/III Concurso Nacional de Poesia Miramar Shopping" (Santos/SP, Triart/Miramar Shopping, 1992), "Painel Brasileiro de Novos Talentos" (Vol.1, RJ, Câmara Brasileira de Jovens Escritores, 1999), "InsPiração Erótica - Antologia de Poemas Sensuais" (Jundiaí/SP, Clube Jundiaiense/Ed. Literarte, 2000).

Seu poema "Xamânica" foi escolhido para representar a autora, juntamente com uma pequena biografia, no volume "Brasil - 500 anos de Poesia", a ser publicado em 2000 pela Editora Blocos, do Rio de Janeiro.

"Tecendo Diários", livro de poemas, é sua primeira obra impressa solo. Informações sobre o livro podem ser vistas no site da Editora Blocos  http://www.terra.com.br/blocos/blli0110.htm ou com a própria autora, através do e-mail rosyferos@iron.com.br .

Assina também uma coluna no site Casa de Arabella chamada "Telemática" <http://www.casadearabella.com.br/col_rosy.htm> ,  em que escreve, em forma de crônicas, sobre os desdobramentos das novas tecnologias da Comunicação Telemática e sua repercussão em nossa vida cotidiana.

Vários trabalhos seus estão publicados em vários sites pela Internet, textos que vão da poesia ao ensaio. Alguns ensaios podem ser vistos na revista eletrônica InterNeWWWs <http://www.internewwws.eti.br> :

"A Civilização do Guerreiro" e "Beleza se põe à mesa" (duas análises do homem contemporâneo sob a ótica do mito e da publicidade), e

"Mulheres, bolsas e mistérios", que fala da relação quase simbiótica que a mulher tem com a bolsa, analisando o comportamento feminino sob uma perspectiva sócio-psicológica.

Saiba mais sobre a autora em:
http://artista.pt.fortunecity.com/palavras/23/rferro.htm
[Entrevista a Rodrigo  Leão, iniciativa do Complexo Literário
CAOX/PD-LITERATURA]

Alguns de seus poemas:


 


 

LUNÁTICA

lunática
me vejo
construindo luas
acenando a elas
na noite dos meus dias

lunática
estou
lunarizando a vida
lunática sou
imaginando a lida

lunática
Hera
de pés estremecidos
pela terra


lunática
Atena
do escuro escudo
da guerra

lunática
Afrodite
das conchas de mar
e areia

lunática
Selena
capitã das noites
e parteira

lunática
sereia
serena
a brincar de vida
como quem brinca com a noite
a pensar que a lua
é mero espelho da fonte






GUTURAL

eu ouço os sinos tocarem
e penso que sonhos
são sinos que ardem

eu ouço os sinos tocarem
e minha igreja está sem santos
minha fé é cortina de prantos

eu ouço os sinos tocarem
e sinto que sons
são pensamentos que ardem

meus versos sem tino são moucos
e loucos serão os meus versos
se do desatino me privarem

eu ouço os sinos tocarem
mas só sons guturais me valem:

resvalam por minha alma inteira
me levam a todos os lugares






ÂNFORA

minha vida é uma ânfora plena
de cuidados e de afetos

uma trilha de pés descalços
estrelas pintadas pelo teto

meus sonhos são minha vestimenta
tecida e cosida a meu gosto

minhas utopias não jogo na gaveta
delas eu masco até o caroço





INTEIRA

em muitos papéis me espalhei
em muitas terras me plantei
por muitas canetas me escrevi
em muitas telas me desenhei
mas em nenhum lugar estive inteira
em nenhum poema fui derradeira
as minhas letras me são peneira
por onde vaza minha vida inteira

 

 

 
   

 

Esta página é parte integrante da Revista Rio Total

 

Editoria e Direção
Irene Serra
irene@riototal.com.br