Rozelia Scheifler Rasia

          
   

O Romance Virtual de Eros e Afrodite

 

Acostumada às surpresas da vida, Lina estava sempre pronta a desafiar o destino. Após divulgar sua coleção de moedas raras em um site na INTERNET, ela recebeu inúmeros e-mails. Gentilmente respondeu a todos.

Um dia um colecionador enviou-lhe pelo correio eletrônico fotos da coleção dele com centenas de moedas antigas e raríssimas. Ela interessou-se imediatamente pelas moedas e, sem saber, pelo colecionador. Ele pediu-lhe muitas informações sobre a procedência e a data da coleção e, ainda, revelou Interesse pelos detalhes da pesquisa que ela realizava sobre cada moeda

Aos poucos, a amizade via INTERNET cresceu, tendo como ponto central o objeto de adoração de ambos: moedas de todas as épocas. Lina e Caio, como ele identificou-se, interessavam-se muito pela história que envolvia o design, o significado e a fundição de cada moeda, e sobretudo, pela trajetória cultural, política e social do povo que a tinha usado em suas transações comerciais.

Um dia, ao abrir o correio eletrônico, ela encontrou uma foto dele, ilustrada com frente e verso das mais fabulosas moedas que ela já vira. Na tela do micro, um homem grisalho, de olhos escuros, um pouco acima do peso ideal e com um sorriso que mesclava mistério e galanteio, a observava. Lina esqueceu as moedas, a casa, os filhos, o marido e tudo o mais. Mergulhou naqueles olhos, naqueles lábios, naquele peito másculo e por onde andava lembrava das palavras de suas mensagens. Um ponto da história daquele homem, não a agradava: a amada esposa que segundo suas palavras, dedicava-se inteiramente a ele. Salientou que ambos colecionavam desde os tempos de namoro e que após mais de trinta anos de casamento sua coleção chegava a milhares de moedas.

_Trinta anos de casamento?! Este tempo corresponde a minha vida toda.

Subitamente, a colecionadora sentiu-se tomada de admiração pela mulher que o acompanhava pela vida a fora, mas logo começou a sentir ciúmes dela, por ser tão especial e, principalmente, por estar sempre no lugar que ela gostaria de estar, ao lado dele.

Lina passou a enviar e-mails diariamente para Caio, ele prontamente respondia. Sempre elogiava a beleza, a espontaneidade e, também, a coleção dela, embora esta fosse insignificante diante da que ele dizia possuir. Aos poucos, ela começou a interessar-se mais pelo colecionador do que pelo objeto colecionado, esperava ansiosamente seus e-mails, lia-os, imprimia-os e beijava suas palavras como se fossem partes dele, sua boca, seu peito...

Os e-mails passaram a ser mais longos, mais insinuantes. Ela imaginava-se nos braços dele e prometia-lhe fidelidade. Para cumprir esta espontânea promessa, evitava o marido, dando-lhe como desculpa o excesso de trabalho sobre suas pesquisas e, ainda, com a organização de palestras sobre a arte de colecionar moedas.

Um dia, ela enviou-lhe, por e-mail, uma de suas fotografias, que havia sido tirada em uma exposição numismática.

Ele disse-lhe que ela era mais interessante que todas as moedas e que as mulheres  que já tinha visto. Atrevidamente, confidenciou-lhe que quando apareceu a foto dela na tela de seu computador, passou a mão por seus cabelos, pelos seus olhos, pelo seu rosto e imaginou seu corpo esguio, seus seios jovens e suas pernas atraentes, que sentiu o perfume dela...

Lina, ficou indignada. Como pode? Somos casados? Ele disse que ama sua esposa e sabe como amo meu marido e meus filhos. Quem ele pensa que sou? E ainda tem coragem de falar isso para mim!

Passado o primeiro impacto dessa revelação, ela sentiu-se o objeto de adoração daquele homem e, a partir deste dia, tudo mudou. As moedas foram esquecidas e os assuntos de suas mensagens mesclavam um toque sutil de carinho que era aguçado pela ausência de um na vida real do outro. O mistério que envolvia a verdadeira história que, certamente, ele não lhe revelava, tornava aquele relacionamento virtual mais excitante.

Comprometedoras promessas virtuais de amor eram diariamente deletadas por ambos. O risco de serem descobertos era imenso. Embora não fosse um relacionamento real, ela sentia que estavam traindo seu marido.

Por sugestão dele, passaram a evitar seus nomes e a usar psudônimos: Eros e Afrodite. No caso de alguém ler seus e-mails, estariam ‘preservados’ de qualquer questionamento embaraçoso.

Uma amizade que começou descompromissadamente, transformou-se em uma gostosa ansiedade. A espera pelos e-mails dele a acompanhavam pelo dia e pela noite, ela abria constantemente a caixa de entrada do correio e respondia, ora com ternura, ora com desenfreada paixão. As palavras dele revelavam a mesma indecifrável sentimentalidade. O desejo que nutriam um pelo outro, crescia a cada clic:

_Queria olhar em teus olhos, sentir tua mão na minha, abraçar-te e beijar-te longamente...

_Linda, te quero muito, neste espaço virtual, és tudo que tenho, és minha energia, minha luz. Meu desejo é estar contigo, beijar teus lábios, te fazer feliz...

Longos papos virtuais arrastavam-se pela noite. Carícias loucas, despudorados desejos, troca de confidências, promessa de amor virtual sem fim... A realidade não importava mais para ela, pois sentia a presença dele, não em algum ponto do Brasil, mas ao seu lado, na mesa, na cama, na rua, no banho.

Ela vivia na tela do computador, respirava as palavras dele, desejava o desejo dele e redigia mensagens que evidenciavam a espera de um encontro real, onde pudesse tocá-lo, senti-lo e realizar todas as promessas e trocar com ele todas as carícias que seus e-mails lhe traziam.

Uma noite, Lina, plena de emoção abriu o outlook e lá estava o início de seu pesadelo:

_Delete meu endereço. Esqueça que existo. Tenho receio que minha esposa descubra tudo. Ela jamais me perdoaria uma traição, mesmo virtual.

Lina sentiu-se enganada e desprezada pelo homem que a fez sonhar durante meses, que a fez viver o mais belo sonho de amor de sua vida e resolveu procurá-lo. Rastreou o endereço eletrônico e descobriu com surpresa que o endereço da casa dele era o mesmo seu.

Então, ela percebeu que a fotografia era de outro homem e a história que ele usou para impressioná-la havia sido montada. Após descobrir que o homem com quem fazia amor virtual e que a levava ao paraíso, era o seu marido, Lina passou a procurar o verdadeiro homem da fotografia.

_Onde estará? Será que ele existe?

   
     



 
   

 

Esta página é parte integrante da Revista Rio Total

 

Editoração
Irene Serra
irene@riototal.com.br