Casamento Inesquecível!



A alegria é um ingrediente constante no dia a dia do Homem, muito embora ele às vezes não a reconheça.

Talvez ela seja a tonalidade que enfeita nosso cotidiano, oferecendo uma gama de tons e semitons multicoloridos, ou sombreando os traços pretos, possibilitando-nos apreciar o que há na profundidade da escuridão. Seja qual for o caso, é uma dádiva oferecida a toda a humanidade, e feliz o que dela se beneficia!

Isso me lembra uma passagem interessante de três irmãs. Eram bem unidas e costumavam fazer tudo juntas, sempre que possível. Adoravam a companhia umas das outras e desfrutavam serenamente esta amizade preciosa e agradável.

Certa ocasião foram convidadas para o casamento de uma prima, onde uma delas seria a madrinha. A cidade em questão era longe, bem longe, mais ao sul do Paraná. A previsão da viagem era em torno de 8 horas.

Animadas se organizaram e, após alguns acertos e combinações, decidiram que o melhor seria irem de ônibus. O marido de uma delas não poderia acompanhá-los, assim o grupo seria de cinco pessoas.

Saíram bem cedo no dia do casamento, e sabiam que seria uma maratona, pois deveriam retornar no dia seguinte pela manhã.

Durante toda a viagem divertiam-se conversando e deliciando-se com as paisagens. Horas e horas de conversa e cansaço não desanimaram o trio, que conservava a efervescência do entusiasmo natural, das almas singelas e amorosas.

Finalmente chegaram, alquebradas fisicamente, porém, ainda dispostas e entusiasmadas.

Optaram por hospedarem-se em um hotel, para que pudessem ficar mais à vontade, e previamente se entenderam com o tio, que providenciou as reservas.

Assim, para lá se dirigiram ao chegar, e foram descansar um pouco, uma vez que teriam apenas umas duas horas para começarem a preparar-se para a cerimônia.

Por uma questão de praticidade, a que estava sem o marido, ficou no quarto junto com uma das irmãs.

Quando foi mais à noitinha, o marido da que estava junto com a irmã, arrumou-se e desceu, deixando que ambas pudessem arrumar-se sossegadamente.

Logo que se viram sozinhas já iniciaram suas providencias. Foi então que uma delas ao pegar a toalha de rosto do banheiro, surpreende-se, pois junto com a toalha, o porta-toalhas despregou-se da parede, indo estacionar, ruidosamente ao chão!

Passado o susto, foi a coitada consolada pela irmã, e continuaram a se movimentar. A outra pega o cabide do armário, com a intenção de pendurar seu vestido, quando o cabide se quebra ao menor toque do vestido. Bem... Tudo bem pensaram as duas. E num toque de bom humor apurado, uma delas ainda comenta:

Por que você não usa roupas mais finas!

Mesmo um tanto constrangidas pelos contratempos, foram se apressando, pois a hora passava depressa demais.

Uma delas saiu do banheiro após o banho dirigindo-se ao quarto para buscar suas pinturas. Ao retornar, encontra a porta trancada. Rindo, sem entender porque a irmã se trancaria num banheiro da suíte, já que o cunhado não se encontrava lá, pediu que esta abrisse a porta.

Após algumas tentativas, a que estava no banheiro admite que não consegue abrir a porta. Como o tempo se escoava ligeiramente, a outra mais que depressa saiu em busca do marido, pois assim resolveria logo a questão.

O cunhado tenta exaustivamente sem obter êxito e comunica que terá que pedir ajuda a administração.

Chega a ajuda, todos já estão impacientes, pois o horário está mais que apertado. O funcionário do hotel transpira e se dedica a tentar a proeza de abrir uma simples porta, no que é fatidicamente derrotado! Desculpando-se pede licença e comunica que irá buscar ajuda.

Todos a esta altura encontram-se no limiar da ansiedade, pois a que era madrinha encontra-se impedida de se aprontar. A que estava em outro quarto chega pronta e acompanhada do marido, que se dispõe a tentar abrir a danada da porta em questão. Não obtendo êxito, fica combinado que eles, que se encontram prontos, deveriam ir para o casamento e no caso de não conseguirem chegar em tempo, esta tomaria o lugar da madrinha. E assim procedem.

Não demorou muito chega o reforço que em alguns minutos... Arromba a porta!

Um tanto desestruturados e estressados, passam a aprontar-se no menor tempo que já haviam conseguido fazê-lo.

Dirigem-se para a igreja. Era um casamento de Evangélicos, e acharam por bem pegar um táxi, antes que se perdessem pela cidade e nem conseguissem ver o final do casamento.

Lá chegando, descobrem aliviados que haviam sido salvos por conta do atraso da noiva, e dirigem-se correndo, esbaforidos até a porta de entrada onde encontram inúmeros casais em fila. Como não estão entendendo bem o que se passa, e com receio de ficarem colocados em lugar indevido, a madrinha dirige-se à tia, que parecia estar no comando daquela confusão organizada, e pergunta a ela onde deve ficar.

A tia olha para a sobrinha e pergunta madrinha de quem ela é. Espantada a madrinha olha para a tia, para o marido e diz: como de quem eu sou madrinha, tia! Nem conheço o noivo!

A tia então, parece cair em si e conduz a sobrinha para o devido lugar, sem nem perceber o espanto no rosto do padrinho que acompanhava a esposa com um ar solidário e compreensível.

Após o casamento, já na festa, o Tio estando com eles comentava que o dono do hotel onde estavam hospedados era muito seu amigo. Uma das sobrinhas, com ar quase solene comenta: Era meu tio... Era!

O tio não se dá conta do pequeno aviso e o grupo todo explode numa risada quase incontida.

Enfim, todos se recolheram e levantaram-se pela manhã, pois deveriam pegar o ônibus logo.

Após se prepararem para sair, dirigiram-se para tomar um último cafezinho no living social.

A viagem transcorreu bem, acompanhada pelas conversas e comentários das três irmãs.

Ao chegarem na rodoviária, todos pegam suas malas, e uma das irmãs se dá conta que a dela não se encontra por lá. Procuram e procuram até que alguém pergunta.

“Mas a senhora colocou a mala no saguão?”.

Então...Com um olhar arregalado ela diz:

Mas era para colocar?!



 

 

 

Direção e Editoria

Irene Serra
irene@riototal.com.br 


Rio Total