Ano 23 - Semana 1.157
16 de janeiro, 2020



Milton Ximenes Lima

 

class=

 




feliz ano novo


Araçatiba, Maricá, 2006 - Travessia, Prêmio UNIVAP



Nesta novíssima manhã,
o sol não pede licença
para aquecer e abrir os poros do meu corpo.
Além das janelas, meus olhos e meu coração
cultivam um vasto céu carinhosamente azul...
Ventos constantes aprisionam e moldam as nuvens
sob longas estrias.
Na varanda,
os pequenos pássaros ruidosamente me visitam,
e esperam que meus dedos se abram
e deixem escorrer as sementes de sempre sobre suas nervosas fomes...
Perto,
bem perto,
as plantas também namoram as milagrosas águas
que abençoarão suas raízes, seivas e caules
e prometem diversidades de folhas e flores
para alegrarem nossas caminhadas pelos campos
das terras dos nossos antigos e novos passos de vida.
E nós... onde a caverna em que se escondem nossas adormecidas inteligências?
Mergulhem neste momento comigo, solitários companheiros,
na escuridão desses enigmas,
porque o silêncio é necessário para a contemplação de nós mesmos
e para tecer a percepção dos futuros sonhos...
(sobrevivências das verdadeiras ânsias do viver).
Esqueçam os amores lamentáveis...
Compreendam as mentes machucadas pela vida...
Desprezem os limites a que o mundo nos impõe respirar!
Vivam vocês mesmos, plenamente!
Yogarnizem-se!
Tornem-se em aquilo que vocês pensam
e sejam felizes em todos os horizontes das suas caminhadas,
abraçados desesperadamente às suas próprias verdades,
nascidas dos gritos das suas almas em tempos diversos.
Saúdem sempre todos seus irmãos, caminhantes de diversos pensamentos e destinos,
com a sabedoria da mensagem do NAMASTÊ:
“O Deus que vive dentro de mim saúda o Deus que vive dentro de você”!
E caminhem, enfim, sob a alegria do descobrimento das íntimas e últimas esperanças
dos dias imediatos!
Felizes travessias, caros amigos...
Por toda a eternidade!
(Amém!)




Milton Ximenes Lima

Leia as crônicas de MIlton Ximenes no CooJornal, clicando aqui..






Direção e editoria
Irene Serra