Ano 9 - Semana 435
 

 Andréa Abdala Frank é nutricionista,
 Prof. do Instituto de Nutrição UFRJ 
  



Outros artigos sobre NUTRIÇÃO


 

Casa
Comportamento
Curiosidades
Estilo
Informação
Informática
Pensamentos
Reflexão
Saúde
Sorria 


 



 

30 de julho, 2005
---

Andréa Abdala Frank


Lactobacilos Acidófilos


Seja na produção em escala industrial ou mesmo na produção caseira, o iogurte possui idênticas características quanto a sua composição química final, salvo a utilização dos aditivos, como os ditos sintéticos ou naturais, que fazem aumentar a vida útil do mesmo, o tempo de validade para consumo, além de melhorar a aparência, textura e paladar do alimento, e outros.

Acredita-se que cerca de 3.500 aditivos estão em uso atualmente. Todos os aditivos permitidos, até que provem o contrário, são controlados e aprovados por lei para a produção dos alimentos. Muitos dos aditivos são substâncias naturais, o ácido ascórbico (vitamina C) usado na industria de panificação é um dos exemplos.

Outro grupo de substâncias denominadas aditivos alimentares são os adoçantes. Os calóricos acrescentam energia à dieta e incluem o manitol, o sorbitol, o xilitol e xarope de glicose hidrogenada. Os adoçantes não-calóricos são adoçantes sintéticos e incluem o acesulfame K, o aspartarme, a sacarina e a taumatina. Sucrose, glicose, frutose e lactose são todas classificadas como alimentos e não como adoçantes ou aditivos.

Rica fonte alimentar de cálcio, o iogurte também é boa fonte alimentar de potássio, fósforo, proteínas e vitaminas, sobretudo as do complexo B. Por isso é considerado um grande aliado da saúde.

Sua maior aliança com o homem se baseia no princípio do equilíbrio entre as espécies que habitam a flora intestinal. A favor do corpo estão os lactobacilos, microorganismos anaeróbios (dispensam o oxigênio para sua sobrevivência), que, entre outras funções, protegem o intestino contra a ação de coliformes - bactérias do tipo aeróbio (precisam de oxigênio), responsáveis pela liberação de toxinas (resultado da digestão dos alimentos), de gases, pela prisão de ventre e pela redução da absorção dos nutrientes.

O desequilíbrio pode ocasionar o aumento das substâncias tóxicas, com sulfito de hidrogênio, dióxido de carbono, gás metano e fenol. Em transtornos intestinais os lactobacilos começam a proliferar rapidamente, equilibrando a flora. Nesse crescimento ocorre também a acidificação do meio intestinal, o que, aliás, é muito bom por dois motivos: ajuda no crescimento e multiplicação das colônias de lactobacilos já existentes porque essa espécie se dá muito bem em meio ácido; e dificulta a vida dos coliformes, que precisam de um meio alcalino para viver melhor.

Por ser um restaurador da flora intestinal, o iogurte é especialmente recomendado para as pessoas que estão em tratamento com antibióticos, que pode apresentar como efeito colateral a morte de colônias de bactérias que fazem habitualmente parte da flora. Em geral, a conseqüência da mortandade temporária é a diarréia. Daí o motivo de o leite acidificado ajudar no equilíbrio intestinal.

Fonte: Acervo da autora
 


Seu artigo será bem recebido em feliz-idade@riototal.com.br


Direção
IRENE SERRA
irene@riototal.com.br