NUTRIÇÃO

Convite aos vegetais


Claro que você não precisa ser vegetariano para apreciar comida vegetariana. Além de possibilitar a confecção de pratos vistosos e gostosos, os vegetais também ajudam a diminuir e excesso de consumo de carne vermelha, que pode prejudicar a saúde. O professor Yukio Moriguchi, diretor do Instituto de Geriatria da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul e um dos geriatras mais renomados em nosso país, diz que o ideal é não ultrapassar a cota de 150/200 g/dia de carne vermelha. "Não esquecendo as frutas e verduras (fibras)", ele ressalta.

Uma das vantagens da comida vegetariana é que você pode (aliás, deve) misturar vários produtos, conseguindo assim todos os nutrientes necessários ao bom funcionamento do organismo. Outro conselho do professor Moriguchi é que, no almoço e no jantar, a pessoa tenha, pelo menos, dez espécies diferentes, a fim de que consiga uma alimentação mais aproximada da perfeita. Exemplos: arroz, feijão, alface, cenoura etc.

Um dos mitos ligados à nutrição é o de que o consumo baixo de carne vermelha (considerando que esta é uma fonte de ferro) poderia provocar anemia ferro-priva: "A carne vermelha não é fonte de ferro", diz o professor Moriguchi. "O arroz, o feijão e a soja também contêm proteínas".

Às pessoas que, por causa de má dentição, têm problemas para consumir vegetais, ele faz uma recomendação: "Se a pessoa não puder comer, por qualquer motivo, frutas e verduras, por exemplo, é recomendável usar um complemento vitamínico".

Há 26 anos no Brasil, o professor Yukio Moriguchi considera a sua mais alta honra ter sido médico do Papa Paulo VI. Num de seus numerosos trabalhos, ele comprovou uma diferença de dez anos a menos da expectativa de vida dos japoneses moradores no Brasil em comparação com os que vivem no Japão. Sua conclusão: os brasileiros (sobretudo, gaúchos), comem muita carne e pouca verdura.

Fonte: Revista Maturidade
São Paulo 


    
    
   
Esta página é parte integrante da Revista Rio Total