Telemedicina no Everest
    

A NASA, responsável pelo programa espacial americano e o Centro de Informática Médica da Yale University, decidiram estudar à distância (Telemedicina) o que ocorre com o organismo dos alpinistas que sobem ao Monte Everest com mais de 6.000 metros acima do nível do mar, e que dados seriam enviados através da Internet.

Desde 1953, quando foi escalado pela primeira vez, somente 700 homens e mulheres conseguiram subir, sendo que 150 outros morreram na tentativa.

Os pesquisadores querem conhecer o que acontece com o organismo que nessa altitude tem 30% a menos de oxigênio no ar e a temperatura está 40º (F) abaixo de zero.

Essa experiência está permitindo programar os equipamentos para expedições a Marte.



Fonte: RAM



   

 Esta página é parte integrante da Revista Rio Total