Confiança



Quando você ganhar, comemore: celebrar uma conquista é um importante rito de passagem. Esta vitória custou momentos difíceis, noites de dúvidas, intermináveis dias de espera. Desde os tempos antigos, alegrar-se com um triunfo faz parte do próprio ritual da vida.

A comemoração marca o final de uma etapa, embora - por incrível que pareça - muita gente recusa-se a isso, por medo de decepção, de atrair "mau-olhado", etc. Quem age assim, não se beneficia do melhor presente que a vitória nos dá: confiança.

Devemos, sempre que possível, comemorar hoje as pequenas vitórias de ontem, por mais insignificantes que pareçam. Amanhã, uma nova luta se aproxima, e irá exigir nossa atenção e esforço: a lembrança de uma um êxito nos faz mais fortes para a próxima batalha.


Aceitando que merece o melhor


O famoso pianista Arthur Rubinstein (1866-1982) atrasou-se para um almoço num importante restaurante de New York. Seus amigos começaram a ficar preocupados - mas Rubinstein finalmente apareceu, ao lado de uma loura espetacular, com um terço de sua idade.

Conhecido por seu pão-durismo, nesta tarde ele pediu os pratos mais caros, os vinhos mais raros e sofisticados. No final, pagou a conta com um sorriso nos lábios.

- Sei que vocês devem estar estranhando - disse Rubinstein. - Mas hoje fui ao advogado fazer meu testamento. Dei uma boa quantia para minha filha, para meus parentes, fiz generosas doações para obras de caridade. De repente, me dei conta que eu não estava incluído no meu testamento: era tudo dos outros!

“A partir daí, resolvi me tratar com mais generosidade”.

 

Texto extraído de LeDor VaDor


   
Leia aqui outras reflexões