Ano 11 - Semana 579



Outras REFLEXÕES


 

Arquivo Geral

Casa
Comportamento
Curiosidades
Estilo
Informação
Pensamentos
Saúde
Sorria 



 

    03 de maio, 2008
---

Um Amor Especial

Quando Jéssica veio ao mundo, trazia a cabeça amassada e os traços deformados, devido ao parto difícil vivido por sua mãe. Todos que a olhavam faziam careta, dizendo que ela se parecia com um jogador de futebol americano espancado.

Todos tinham a mesma reação, menos a sua avó. Quando a viu, tomou-a nos braços e seus olhos brilharam. Olhando para aquele bebê, sua primeira netinha, emocionada, falou: "linda."

No transcorrer do desenvolvimento daquela criança, a avó estaria sempre presente. E um amor mútuo, profundo, passou a ser compartilhado.

Quando, anos depois, a avó recebeu o diagnóstico de Mal de Alzheimer, toda a família se tornou especialista no assunto. Parecia que, aos poucos, ela ia se despedindo. Ou eles a estavam perdendo. Começou a falar em fragmentos. Depois, o número de palavras foi ficando sempre menor, até não dizer mais nada.

Uma semana antes de morrer, seu corpo perdeu todas as funções vitais e ela foi removida, a conselho médico, para uma clínica de doentes terminais.

Jéssica, então com 15 anos, insistiu para ir vê-la e seus pais a levaram. Ela entrou no quarto onde a avó estava e a viu sentada em uma enorme poltrona, ao lado da cama. O corpo estava encurvado, os olhos fechados e a boca aberta, mole. A morfina a mantinha adormecida.

Lentamente, Jéssica se sentou à sua frente. Tomou sua mão esquerda e a segurou. Afastou daquele rosto amado uma mecha de cabelos brancos e ficou ali, sentada, sem se mover, incapaz de dizer coisa alguma. Desejava falar, mas a tristeza que a dominava era tamanha, que não a conseguia controlar.

Então, aconteceu... A mão da avó foi se fechando em torno da mão da neta, apertando mais e mais. O que parecia ser um pequeno gemido se transformou em um som, e de sua boca saiu uma palavra: "Jéssica."

A garota tremeu. O seu nome! A avó tinha 4 filhos, 2 genros, uma nora e 6 netos. Como ela sabia que era ela?

Naquele momento, a impressão que Jéssica teve foi que um filme era exibido em sua cabeça: Viu e reviu sua avó nos 14 recitais de dança em que ela se apresentou. Viu-a sapateando na cozinha, com ela. Brincando com todos netos, enquanto os demais adultos faziam a ceia na sala grande. Viu-a, sentada ao seu lado, no Natal, admirando a árvore decorada com enfeites luminosos.

Jéssica, olhando para ela, ali, e vendo em que se transformara aquela mulher, chorou. Deu-se conta que ela não assistiria ao seu último recital de dança, nem voltaria a torcer pelo seu time de futebol. Nunca mais poderia se sentar a seu lado, para admirar a árvore de Natal. Não a veria toda arrumada para o baile de sua formatura, ao final daquele ano. Não estaria presente no seu casamento, nem quando seu primeiro filho nascesse.

As lágrimas corriam abundantes pelas suas faces. Acima de tudo, chorava porque finalmente compreendia como a avó havia se sentido no dia em que ela nascera. A avó olhara através da sua aparência, enxergara lá dentro e vira uma vida.

Então, lentamente, Jéssica soltou a mão da avó e enxugou as lágrimas que molhavam o seu rosto. Ficou de pé, inclinou-se para a frente e a beijou. Num sussurro, disse para a avó: "você está linda!"


Se você deseja ensinar a seu filho o que é o amor, demonstra-o. Não lhe negue a carícia, a atenção, a palavra... O que faça ou diga é, hoje, a semente do que o mundo colherá no passar dos anos. E o mundo lhe agradecerá, por você ter sido alguém que lhe entregou um ser que sabe amar, de forma incondicional e irrestrita.

 


 


 

Direção e Editoria
IRENE SERRA
irene@riototal.com.br