DISCRIMINAÇÃO a pessoas com 65 anos ou mais.

Seguro deixa família indignada



      
A família do piloto aposentado Moacyr Ubirajara Oliveira, de 80 anos, que morreu vítima de atropelamento no dia 25 de maio, em Londrina, fez queixa no Procon contra a seguradora Gralha Azul, por cláusula abusiva e preconceituosa. Conhecido na cidade por correr 14 quilômetros por dia, Oliveira foi atropelado às 7h30 na Avenida Rio Branco, área central, quando fazia cooper, por um Monza dirigido por Ismail Pereira Barbosa. O veículo tinha seguro contra terceiros, mas a seguradora não teria liberado o dinheiro porque a vítima tinha mais de 65 anos.


      A denúncia no Procon foi formalizada por Barbosa, o segurado, e a família de Oliveira entrou como testemunha. Na primeira audiência, no Procon, no dia 14 de agosto, nenhum representante da seguradora compareceu. Uma nova audiência foi marcada para o próximo dia 21. O valor do seguro de danos causados a terceiros, de acordo com a apólice de Barbosa, seria de R$ 40 mil.


      A filha da vítima, Safira Oliveira, 47 anos, disse que o motorista do carro tomou todas as providências legais para que sua família recebesse o dinheiro. ‘‘O Barbosa estava com toda a documentação em dia. Por conta disso ele tem o direito de acionar o seguro pelo que causou ao meu pai’’, reclamou. Ela enviou um apelo à seguradora solicitando revisão da negativa do seguro. A Gralha Azul comunicou que ‘‘os danos pessoais são calculados de acordo com a expectativa de sobrevivência da vítima, tomando-se por base a idade média de 65 anos’’.


      Por telefone, a coordenadora administrativa da Gralha Azul em Curitiba, Marisa Gasparini, informou que existe uma jurisprudência legal que considera como sobrevida o tempo que exceder os 65 anos. Como Oliveira morreu aos 80 anos ele já havia superado em 15 anos a expectativa de vida média do brasileiro. Oliveira participou no ano passado da corrida de São Silvestre, em São Paulo, e ganhou medalha de participação, chegando a estar na frente de 1.500 corredores durante alguns minutos.

Maranúbia Barbosa
De Londrina
Jornal Folha do Paraná


PAra evitar que sejam lesados por esse tipo de seguradora, NÃO ASSINEM NENHUM CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS SEM LER!!!!!! Você pode estar sendo enganado perigosamente nas entrelinhas. A matéria acima refere-se a meu pai, e a indignação maior não é pelo valor monetário, mas pelo ABUSO E DISCRIMINAÇÃO a pessoas com 65 anos ou mais.

Se quiser fazer mais reclamações, procure o site http://www.reclama.com/pagsac.htm ou no buscador Cadê, usando a palavra-chave reclamações.

Safira Hermes de Oliveira
safira@onda.com.br

 
 

Esta página é parte integrante da Revista Rio Total