Hoje em dia, ter um computador é praticamente imprescindível. Mas, quando as dúvidas surgem, verdade seja dita, aos jovens é mais fácil o aprendizado. No entanto, contamos com a tenacidade e perseverança dos mais velhos, que estão aí dando um show de bola, 
ou melhor, de computador... 

    Robson Jorge

Usando o computador

As maiores dificuldades encontradas pelos internautas mais velhos são a adaptação com o mouse, os termos utilizados e o turbilhão de informação que gira em torno da informática. Outro fator muito importante, é a falta de incentivo e motivação, que faz com que se sintam incapazes de aprender algo que segundo eles só diz respeito às pessoas mais jovens.

Meu trabalho é justamente voltado para auto-motivação do idoso, fazendo com que se sinta capaz e reconquiste a confiança em sua capacidade de aprender coisas novas. Alguns passam a gostar tanto do computador, que se mostram envaidecidos quando conseguem ensinar algo que aprenderam a um filho ou neto, pessoas que, segundo eles próprios, não sabem nem têm paciência para ensinar.

Geralmente o idoso tem dificuldade de compreender o sentido da palavra virtual, tão presente no mundo da Internet. Estas pessoas se acostumaram com o que pudessem ver e pegar e tentam compreender de imediato como a coisa funciona. Isto traz um certo receio que só é quebrado com o andamento das aulas.

Procuro ensinar-lhes, sempre, com muita paciência e bom senso, procurando transmitir apenas aquilo que realmente interessa ao aluno. Se ele só quer Internet, só se ensina Internet, se ele só quer escrever cartas, é só isto que se faz. Procuro despertar seu interesse para aquilo que possa vir a gostar.

O Sr. Gilson (gnasc@openlink.com.br), 80 anos, por exemplo, decidiu aprender a usar o computador quando sua máquina de escrever pifou e passou a encontrar dificuldades para conseguir quem a consertasse. Gostou tanto que hoje escreveu um livro sobre o assunto, Informática na Terceira Idade, Ed. Basport.

Descobrir, então, para que vai lhe servir o computador, é o ponto inicial para o aprendizado. A pessoa precisa enxergar no computador - e na Informática - um aliado para facilitar a vida no seu dia-a-dia. Entender que coisas que fazia com muito mais trabalho, hoje são feitas com alguns cliques do mouse. É necessário olhar à sua volta e ver o que as pessoas estão fazendo e conseguindo com a utilização de um microcomputador e a Internet.

Trocar mensagens de e-mail é o que mais gostam de fazer com a internet. Logo que aprendem a utilizá-lo, fazem dele seu principal meio de comunicação, principalmente para se comunicar com parentes bem mais jovens, como netos, bisnetos, etc.  Escrever cartas diretamente no computador, e ainda, enviar cartões virtuais pela Internet é um orgulho para todos.

Uma de minhas alunas, Dª. Esther, 85 anos, (estheralmeida@openlink.com.br) não passa um dia sequer sem visitar sua caixa postal onde recebe com freqüência mensagens de suas filhas, netos e até bisnetos. Ela orgulha-se de hoje estar utilizando a Internet.

Dª Marly Queiroz (marlyqueiroz@bridge.com.br), uma jovem senhora da terceira idade e deficiente física (usa uma cadeira de rodas para se locomover), resistiu o quanto pode para comprar seu primeiro computador. Hoje, aprendeu muito mais do que achava que fosse capaz. Está satisfeitíssima com a quantidade de novos amigos que conquistou.

Pelo exposto, observamos que a informática traz inúmeros benefícios aos mais velhos: descoberta e reaproximação de amigos e parentes, ampliação de novos horizontes, reencontro do gosto pela vida,além de ser excelente exercício mental, pois há sempre uma coisa nova a se aprender.

 


              Robson de Farias Jorge, professor de Informática 
rjorge@openlink.com.br
 

  

   
   


Esta página é parte integrante da Revista Rio Total