Mariana Timóteo da Costa
 

Surdez neurossensorial
 

A surdez neurossensorial ocorre quando o nervo acústico ou auditivo, que conduz as ondas sonoras do ouvido ao cérebro, é traumatizado. “Isso pode ocorrer por vários motivos: poluição sonora, estresse, medicamentos, infecções persistentes ou rompimento do tímpano”, diz o otorrino Fernando Portinho.

Não existe cura para o mal. “O melhor é fazer um diagnóstico precoce para proteger o ouvido do paciente”, diz o otorrino Shiro Tomita. Crianças com problemas e dores de ouvido constantes devem ser levadas ao médico. “As bactérias podem tomar o nervo, prejudicando muito a audição”, alerta Portinho.

Sintomas – Dificuldade de escutar, zumbido no ouvido e tonteira.

Prevenção – Pessoas que vivem ou trabalham em ambientes barulhentos devem usar proteção para o ouvido. É bom evitar a auto-medicação, já que o mal pode se manifestar em pacientes sensíveis a antibióticos, pílulas anticoncepcionais e diuréticos. Quem fica com o ouvido constantemente inflamado (otite) também deve procurar um médico.

Exame – A audiometria mede a qualidade da captação das ondas sonoras pelo paciente. Radiografia e ultrassonografia também são usadas, assim como o exame de tronco cerebral, onde um aparelho mede os ruídos sonoros captados pelo cérebro.

Tratamento – Consiste em manter a perda auditiva em níveis estáveis, protegendo o ouvido com medicamentos e melhorando a audição com aparelhos.

Onde se tratar:
Rede pública – Postos de Saúde

Tele-Saúde: 273-0846

Fonte: O Dia

 

 Outros assuntos sobre saúde

  

Sua matéria será bem-vinda em  feliz-idade@riototal.com.br
 

Editoria e Direção
IRENE SERRA
irene@riototal.com.br