Ano 9 - Semana 466

Clique aqui e Sorria um pouco mais... 


 

04 de março, 2006

 
Como solucionar o problema de nossos atletas?


Conta a história que, em 1995, houve uma competição entre as equipes de remo do Brasil e do Japão. Logo no inicio da regata, a guarnição japonesa começou a se distanciar e completou o percurso rapidamente. O barco brasileiro chegou à meta com UMA HORA de atraso.

De volta ao Brasil, o Comitê Executivo se reuniu para avaliar as causas do desastroso resultado e constatou:     
A) A equipe japonesa era formada por 1 Chefe de Equipe e 10 remadores.     
B) A equipe brasileira era formada por 1 remador e 10 Chefes de Equipe.

A decisão passou, então, para a esfera do Planejamento Estratégico, que deveria realizar uma seríssima reestruturação da equipe, visando à prova do ano seguinte.

Em 1996, dada a largada, os nipônicos dispararam e, desta vez, nossa equipe chegou com DUAS HORAS de atraso. Uma nova análise das causas do fracasso mostrou os seguintes resultados:
A) A equipe japonesa continuava com 1 Chefe de Equipe e 10 remadores.
B) A equipe brasileira, após as mudanças introduzidas pelo pessoal de Planejamento Estratégico, era formada por: 
     1 Chefe de Equipe,
     2 Assessores de Departamento,
     7 Chefes de Departamento e
     1 remador.

A conclusão do Comitê que analisou as causas do novo fracasso foi unânime: O REMADOR É UM INCOMPETENTE!!!

Em 1997, nova oportunidade. O Departamento de Tecnologia e Novos Negócios do Brasil colocou em prática um plano para melhorar a produtividade da equipe, com a introdução de mudanças baseadas no que havia de mais moderno no mercado e que, SEM DÚVIDA, produziria aumentos significativos de eficiência e eficácia.
Os pontos principais das mudanças eram o "resizing" e o "turn-around" e, COM CERTEZA, desta vez os brasileiros humilhariam os japoneses. O resultado foi catastrófico e a equipe brasileira chegou à meta TRÊS HORAS depois do barco do Sol Nascente.

As conclusões revelaram dados aterradores:
A) Mantendo a sua tradição milenar, a equipe japonesa era formada por: 1 Chefe de Equipe e 10 remadores.    
B) A equipe brasileira, por sua vez, utilizou uma formação vanguardista, integrada por:
     1 Chefe de Equipe,
     2 Auditores de Qualidade Total,
     1 Assessor especializado em "Empowerment",
     1 supervisor para assuntos de "Downsizing",  
     1 Analista de Informática, 
     1 Chefe de Tecnologia,
     1 "Controller",
     1 Chefe de Departamento,
     1 Controlador de Tempo e
     1 remador.

Depois de vários dias de reuniões e análise, o Comitê Executivo decidiu castigar o remador e aboliu "todos os seus benefícios e incentivos, em função do fracasso alcançado".

Na reunião de encerramento, o mesmo Comitê, fortalecido pela presença dos principais acionistas, anunciou: "Contrataremos um novo remador, mas desta vez com contrato de Prestação de Serviços de Terceiros, sem vínculo trabalhista, para que não tenhamos que lidar com os sindicatos, que degradam a eficiência e a produtividade dos recursos humanos".
 

Enviado por Bruno Padrão Serra




Direção
IRENE SERRA
irene@riototal.com.br