Ano 13 - Semana 682


Acalifa
Cultivo: fácil
Altura: até 2,4m
Largura: 1,80m
Umidade: alta
Luminosidade: alta
Disponibilidade: fácil
 

CUIDANDO DAS PLANTAS
ARQUIVO



 



 

         01 de maio, 2010
---

Acalifa
(Rabo-de-gato)

Rabo de gato - Irene, riototal

Nativas do sudeste da Ásia e de ilhas do Pacifico, as acalifas vegetam em regiões tropicais, de temperatura elevada no verão. São arbustos de caules finos e lenhosos, perenes, cultivados em suas diferentes espécies pela beleza das espigas florais e pela folhagem de colorido exuberante.
O crescimento ocorre do inicio da primavera até o verão, quando a planta apresenta maior viço. Pode ser plantada em jardineiras ou na formação de maciços e bordaduras no jardim.

rabo-gato, foto SonyaA Acalypha Hispidia, originária da Nova Guiné, possui longas espigas repletas de minúsculas flores, com a aparência aveludada de um tecido de chenille, daí ser também conhecida como planta-chenille. As espigas chegam a atingir 46 cm e duram muito tempo.
A planta pode atingir 2,4 m de altura, quando plantada no chão, desenvolvendo-se no máximo até 1,5 m se for podada no outono.
Possui folhas denteadas e abundantes, delicadamente aveludadas e com até 20 cm de comprimento. Corte-as quando começarem a murchar, para incentivar o aparecimento de novas flores.
Existem também variedades que produzem espigas em tonalidades esverdeadas e amareladas.


Mais difundida no Brasil, a A. wilkesiana é apreciada por sua folhagem de bordos denteados e tonalidade forte marrom-acobreada, marcada por manchas rosadas, brancas ou pretas, com até 15 cm de comprimento e produz flores miúdas.


A. wilkesiana macafeana
tem folhas avais, vermelhas, marmorizadas em tons de bronze e vermelho-escuro.

A. hoffmannii possui folhas que lembram as da grama, vermelho-esverdeadas com manchas brancas.

As folhas de todas as espécies necessitam de grande quantidade de luz e podem ser cultivadas a pleno sol, em solo fértil, enriquecido com matéria orgânica. Mas os raios solares diretos, principalmente do meio-dia, fazem-nas ressecar. Precisam ainda de bastante umidade e de proteção contra o frio, cuidados que garantem o bom crescimento.


Primavera e verão

Renove os vasos entre agosto e outubro, utilizando composto orgânico. Se as plantas estiverem muito grandes para um replantio completo, remova apenas 5 cm da terra superficial e troque-os por um composto novo.
Regas regulares, que mantêm a umidade alta, mostram-se essenciais: caso contrário a planta perderá as folhas, ficará desidratada e poderá morrer.
No verão, as acalifas gostam de muita luz e de temperaturas de, no mínimo, 21 °C. No entanto, mantenha-as longe do sol direto e verifique se, à noite, a temperatura não cai abaixo de 15°C.
Na falta de luminosidade o exemplar pode ficar "espinhado", perde o colorido vivo e não floresce.
Adube a cada quinzena com um fertilizante de boa qualidade, o que contribui sobremaneira para o desenvolvimento da planta.


Outono e inverno

Corte as espigas murchas. Se a planta estiver grande demais, pode-a, retirando cerca da metade do que cada ramo cresceu nesse ano. Se quiser fazer mudas, desbaste-a apenas em agasto. No outono, reduza as regas, mantendo a terra levemente úmida. Proteja a planta com plástico transparente, caso a temperatura ambiente permaneça abaixo dos 15°C.


Propagação

Na primavera, retire ramos com uma ponta lascada, fazendo estacas de galho longas (12 a 15 cm).

Em uma mistura de terra comum e areia, a 26°C, deixe a estaca enraizar, cobrindo-a com plástico transparente.

                        No ano seguinte, deve florescer.



Problemas e Soluções

As acalifas têm fácil cultivo e, desde que você as proteja no inverno, não dão problemas.
Se as folhas começarem a cair, verifique a umidade do vaso e do ambiente.
Seus piores inimigos são pequenas ácaros vermelhos, que aparecem quando o ar está muito seco. Os ácaros atacam a parte inferior das folhas e formam uma fina teia. Se não forem combativos, modificam completamente a aparência da planta. Use um acaricida e, no verão, regue diariamente a planta.


 


Direção e Editoria
Irene Serra