Ano 14 - Semana 752
 

Família: Orquidaceae
Nome popular: Cimbídio, orquídea
Cultivo: Médio
Altura: até 1,2m
Umidade:  Alta
Disponibilidade: Media
Largura: 1,2 m
Luminosidade: Meia-som bra






CUIDANDO DAS PLANTAS
ARQUIVO


 

      09 de setembro, 2011
---

Orquídea Cimbídio

orquídea cimbídio


O cimbídio, uma das poucas orquídeas terrestres, tem ciclo perene, apresenta crescimento simpodial, isto é, formando rizomas e pseudobulbos horizontalmente. É uma orquídea muito popular no Brasil, pois devido à sua rusticidade e beleza, é largamente comercializada em vasos. Suas folhas são coriáceas e longas e os pseudobulbos são ovóides. As raízes são grossas e delicadas, quebrando-se ao serem manuseadas sem cuidado.

Os híbridos comerciais apresentam flores de diversas cores, entre o amarelo, o rosa, o vinho, o branco, etc e combinações, sendo que muitas vezes o labelo apresenta cores mais vibrantes e diferentes. A inflorescência, formada geralmente na primavera, é grande e composta de muitas flores.


São cultivados em vasos com substratos preparados, com areia e terra vegetal, bem drenados, em locais protegidos, como estufas e orquidários telados, irrigados regularmente. Aprecia o frio do inverno. Multiplica-se através da divisão da planta após a floração, separando-se mudas completas com pelo menos dois pseudobulbos cada.

Em seu habitat natural, o cimbídio cresce tanto em árvores como no chão, respectivamente em áreas semi-desérticas e nas  florestas tropicais da Austrália e do Extremo Oriente. Os exemplares cultivados provêm dos tipos que se adaptaram ao desenvolvimento em árvores e se revelaram tão resistentes que suportam até o frio.

Essa orquidácea vistosa e de bela floração pode ser cultivada com sucesso em interiores. A grande virtude do cimbídio encontra-se em sua alta tolerância a ambientes hostis, não solicitando muitos cuidados para se desenvolver. A planta sobrevive a uma certa negligência e ainda assim floresce. Quando recebe um tratamento adequado, produz magníficos cachos florais.

A beleza da planta incentivou os viveiristas a criar vários híbridos, que produzem linda floração de cores diferentes — branco puro, púrpura-escuro, cor-de-rosa, vermelho-rosado —, muitas vezes com o centro de coloração mais acentuada ou contrastaste. Um único cacho chega a produzir quinze flores com 7 cm de diâmetro. Um exemplar pode apresentar três ou mais cachos florais numa temporada. A duração aproximada de cada flor pode atingir cerca de seis semanas.

As folhas assumem formato delgado e gracioso e se colorem de verde. As folhas despontam ao nível do solo. Quando não está em época de floração, o cimbídio demonstra poucos atrativos. No entanto, ele parece compensar essa deficiência no momento em que desabrocha uma florada.

Os híbridos da espécie dividem-se em dois grupos: o "standard", com plantas arqueadas, de 1,2 m ou mais de comprimento, e o "miniatura", com exemplares que atingem até 40 cm. Os cimbídios miniaturizados tornaram-se muito apreciados por constituírem espécies de manejo mais simples.


Primavera e verão


As orquídeas precisam de apenas um replantio, em períodos de três ou quatro anos, durante a primavera. Elabore um composto formado de uma parte de terra turfosa, duas partes de esfagno e uma parte de areia lavada de rio. Para garantir uma excelente drenagem coloque uma camada de cacos de vasos de barro ou de seixos pequenas no fundo do recipiente. Isso também servirá como contrapeso, uma vez que o volume da planta adulta pode desequilibrar o vaso.

cimbidio - foto de Marcos Campos


De outubro a março, molhe sua planta à vontade, mas deixe que o composto fique quase seco entre as regas, pois o excesso de água pode apodrecer as raízes. Durante o período de crescimento, a cada quinzena, adicione fertilizante altamente nitrogenado à água das regas. No final do verão, modifique a adubação e utilize um fertilizante com altas doses de potássio. A combinação alternada de nitrogênio e potássio auxilia a planta a produzir sua exótica floração.

O cimbídio aprecia atmosfera úmida. Pulverize água com regularidade nos períodos mais quentes, evitando fazê-lo sob sol direto. O exemplar fica muito viçoso em local bem claro, mas abrigado de raios selares, os quais ressecam, murcham e podem até matar as folhas. No verão, a temperatura deverá manter-se entre 15 e 24°C. Em regiões quentes, você pode cultivar o cimbídio fora de casa, em local sombreado e fresco.


Outono e inverno


Várias espécies florescem desde o fim do outono até o começo da primavera e necessitam de cuidados especiais nesse período. Mantenha a planta entre 15 e 18°C nos meses de inverno, ainda que o cimbídio suporte temperaturas em torno dos 13°C durante a noite, desde que receba mais calor de dia. O exemplar se desenvolve melhor quando colocado em local arejado mas sem correntes de ar. Mantenha o vaso em ambiente muito claro, porém longe do sol direto.

Se puder, colete água das chuvas para regar a planta ou utilize água tépida. Molhe bastante a cada vez e espere que o composto fique quase seco para aguar novamente. Não regue se o solo ainda estiver úmido, pois o excesso de água é pior que a escassez.

No fim de março e em abril, o exemplar já deve formar os cachos florais, mas leva cerca de dois a três meses para as flores aparecerem. No momento em que os cachos se mostrarem bem desenvolvidos, amarre-os frouxamente em varetas de bambu para que fiquem eretos.

Como percebemos, as orquídeas estão espalhadas por todo o globo terrestre, desde o Ártico até os trópicos. Mas é nas regiões mais quentes que é encontrada em maior abundância e variedade de cores e formas. Em relação à altitude, podem ser encontradas desde o nível do mar até as regiões mais altas, como no Himalaia que está a 3.000 metros de altitude. Mas são mais freqüentes entre os 500 e 2000 metros.

Nessa ampla distribuição geográfica, podemos encontrar espécies mais restritas a um determinado ambiente e ainda espécies que se desenvolvem em diferentes habitats. Assim podemos encontrar orquídeas em lodaçais e prados úmidos, florestas sombrias, dunas, manguesais, subsolos, árvores, prados e relvados secos.

Como as orquídeas não crescem apenas sobre as árvores, quando formos cultivá-las, devemos sempre tentar reproduzir o seu habitat natural para uma melhor adaptação.



Problemas & Soluções

O ácaro vermelho só ataca se  o cimbidio estiver em atmosfera seca ou se você esquecer de regá-lo por certo tempo. Extermine essa praga com um bom acaricida e umedeça o solo e o ar, cuidando para não encharcar o vaso e causar o apodrecimento da planta.


Cuidados e plantio

1. Luminosidade: a luz é importante para as orquídeas, no entanto deve-se evitar expô-las diretamente ao sol, elas preferem lugares sombreados.
2. Solo: é importante um solo adubado, no entanto não é recomendável adubo em excesso o que pode matar a planta. O melhor substrato para as orquídeas ainda são as fibras de xaxim e de coco.
3. Água: A rega é importante desde que não seja em excesso, melhor faltar água do que regar muito.
4. Temperatura: a temperatura ideal fica entre 25ºC e 30ºC. Por períodos mais curtos a planta suporta temperaturas entre 10ºC e 40ºC. Deve-se evitar expor as orquídeas ao vento forte.
5. Vasos: os vasos devem permitir uma boa drenagem. Normalmente usa-se vasos de cerâmica que são mais porosos. Podem ser de plástico para as plantas que gostam mais de umidade, ou ainda podem ser de madeira. Os vasos devem ser pequenos e preenchidos até cerca de 1/3 com cacos de cerâmica, permitindo um bom escoamento da água.
6. Replantio: é recomendável trocar a planta de vaso a cada dois anos para renovar o substrato e diminuir a acidez que é natural. A melhor época é quando a orquídea está em repouso - logo após a floração.


Cuidados na Compra

A beleza da florada compensa o preço pago pela planta. Quando bem tratado, 0 exemplar floresce por meses e dura murros anos.

Selecione uma espécie que esteja florida, para que você saiba a cor das flores. Os viveiristas especializados fornecem maiores opções de cores e formas.


 


Direção e Editoria
Irene Serra