Ano 16 - Semana 799


 

Lágrima de Cristo
Família: Verbenaceae
Cultivo: médio
Luminosidade: pleno sol
Altura: 3m
Largura: 2,5 m
Umidade: alta
Disponibilidade: média






CUIDANDO DAS PLANTAS
ARQUIVO


 

Seja parceiro do
meio ambiente!

       10 de agosto, 2012
---

Lágrima de Cristo

thomsonae


O Clerodendrum constitui um gênero formado por belíssimas trepadeiras floridas, que se prestam ao cultivo dentro ou fora de casa. Suas flores assumem diversas formas e cores, diferentes de acordo com a espécie, sendo que muitas delas revelam um sutil aroma. No Brasil existem 26 gêneros com cerca de 350 espécies.

O Clerodendrum thomsonae tornou-se a espécie mais conhecida. Trata-se de uma trepadeira vigorosa, apresentando folhas permanentes, verdes e brilhantes. Em virtude de seu rápido crescimento, dentro de casa requer um constante controle para que não invada espaços sem que você queira. Suas flores desabrocham em cachos e tomam a forma de pequenas lanternas chinesas, de colorido branco-leitoso; na extremidade de cada uma aparecem cinco pequenas pétalas vermelhas, de cujo centro surgem longos estames brancos. Por seu aspecto, recebeu o nome popular de lágrima-de-cristo.

Clerodendrum thomsonae assume um porte compacto, cujos ramos formam massas de folhas ovais, verde-escuras e brilhantes, de ate 10 cm. Quando não sofre podas, a planta pode alcançar de 4 a 6 m de extensão. Suas vistosas inflorescências são formadas por um cálice branco-leitoso — parecendo uma lanterna chinesa — que envolve uma corola vermelha, abrigando longos estames brancos.


C. splendens, também compacta, apresenta folhas de 15 cm, em forma de coração, grossas e de superfície enrugada. As flores, inicialmente vermelhas, tornam-se amarelas e, depois, brancas, nascendo agrupadas nas pontas dos ramos.
Devido sua floração esfuziante de cor vermelha, jamais vista em outra espécie, tem grande uso paisagístico, produzindo bordaduras em forrações de médios e grandes espaços. As espécies escandentes ou lianas são indicadas para revestir taludes, pérgulas ou pórticos, sempre cultivadas a pleno sol. Algumas podem ser usadas também em vasos ou jardineiras, a exemplo do gênero Plectranthus, como planta de interior.

clerodendrum splends


A variedade Speciosum, de folhas verde-escuras e cerosas, com flores escarlates é um hibrido das espécies Thomsonae e Splendens.
Planta naturalmente escandente, ramificada, apresentando ramagem longa que sustenta folhagem verde marcada por nervuras bem visíveis. Sua inflorescência terminal, vistosa, é constituída por corola de flores vermelhas e cálice com sépalas na cor púrpura, persistentes. Propaga-se por estacas em estufas, no início da primavera.
Cultivada a pleno sol, em uso paisagístico, às vezes é conduzida como trepadeira, amparada em suportes, no revestimento de grades, cercas, pórticos, muros ou taludes.

clerodendrum speciosum


Primavera e verão

Quando as raizes do exemplar tomarem conta do vaso, espere a primavera para replantá-lo. Providencie para que a planta fique em local bem arejado e iluminado (se estiver dentro de casa); pulverize bastante água ao seu redor, para deixar as folhas sempre frescas, durante o tempo mais quente.

Essa planta floresce durante todo o verão, período em que deve ser regada livremente. Adube com meia dosagem de fertilizante liquido, a cada duas ou três semanas. A temperatura pode subir a mais de 27°C, sem que as espécies sofram danos.

clerodendrum thomsonae


Outono e inverno

Pare de adubar depois de abril e dê apenas um pouco de água ao exemplar, de abril a setembro, umedecendo o solo ligeiramente. Tenha cuidado porque, no inverno, a planta não pode ficar encharcada. Isso provoca o apodrecimento das raizes. No começo do outono, aparecem os ramos que se desenvolveram no ano anterior, incentivando a planta a assumir formas mais compactas com as brotações da primavera. Mantenha o vaso em local ensolarado, evitando temperaturas abaixo de 13°C.

splendens rosa


Propagação


Semeie em setembro, colocando as sementes a 4 mm de profundidade. Umedeça o composto e observe para que fique sempre levemente molhado, em ambiente cuja temperatura situe em torno de 24°C. Para que germine, envolva a sementeira com um pedaço de plástico transparente, colocando-a no peitoril de uma janela ensolarada. Assim, o conjunto estará sob umidade e temperatura constantes. Depois da germinação, retire o plástico.

Faca estacas de galho, após o florescimento da planta, antes de setembro. Corte cerca de 10 a 15 cm de ramos com folhas novas. Enterre-os em solo bem arenoso, mantendo a temperatura por volta de 18°C. Para conseguir umidade no ar, cubra as mudas com plástico transparente. Quando já estiverem enraizadas, soltando brotações, transplante-as para vasos individuais.

thonsonae amarela


Problemas e Soluções

- Regas excessivas deixam as folhas murchas. Quando o ar se mostrar muito úmido, molhe a planta apenas para não permitir que o solo resseque.
- Os brotos podem ser atacados por cochonilhas, ácaros vermelhos ou moscas brancas, se o ambiente estiver seco e sem ventilação. Combata os ácaros com um acaricida e as outras pragas com uma mistura de partes iguais de água e álcool.
- A ocorrência de fungos revela excesso de água no tempo frio. Deixe o vaso secar e coloque-o em lugar aquecido e arejado.

splendens
 

thomsonae


clerodendrum splendens

 

 


Direção e Editoria
Irene Serra