Ano 16 - Semana 830

 

Pata-de-elefante
Familia: Liliaceae
Cultivo: Fácil
Luminosidade: Pleno sol
Umidade: Baixa
Altura: 1 m a 9 m
Largura: 90 cm
 

CUIDANDO DAS PLANTAS
ARQUIVO

 


 

Seja parceiro do
meio ambiente!

       08 de março, 2013
---

Pata-de-Elefante
(Bocárnia)

pata-de-elefante


A pata-de-elefante é uma planta de aparência espetacular para interiores. A haste principal, grossa e carnuda, desenvolve-se gradualmente de uma base intumescida de substancial proporção, o que sugere a forma de uma garrafa bojuda. As folhas agrupam-se no ápice do caule e se curvam criando linhas arredondadas. Botanicamente seu nome é Nolina recurvata, mas por muito tempo foi conhecida por Beaucarnea recurvata.

Esta planta originou-se nas regiões quentes e secas do deserto mexicano, onde cresce até 9 m de altura. No entanto, quando cultivada em vaso e no interior de casa, provavelmente não atingirá mais que 90 cm. Trata-se de uma planta de interior muito fácil de se manter, desde que o inverno não seja muito rigoroso.

pata-de-elefante



Primavera e verão

A bocárnia desenvolve-se bem sob sol intenso e luz brilhante. Se você colocá-la num local de muita sombra, ela não crescerá. As altas temperaturas do verão, mesmo acima de 21°C, não lhe causam prejuízo. Utilize bastante água nas regas e espere que fique quase seca para aguar novamente. Fertilize duas vezes ao ano, na primavera, assim que começar a crescer, e no final do verão. Replante-a em agosto apenas se estiver extravasando o vaso. Use uma mistura com partes iguais de terra comum argilosa, composto orgânico e areia lavada de rio.

A pata-de-elefante gosta de calor e adapta-se ao ar condicionado.


Outono e inverno


Procure o local mais iluminado da casa para a pata-de-elefante, tendo o cuidado de deixá-la longe do vento. Providencie um ambiente no qual a temperatura permaneça por volta de 10°C, e não molhe a terra do vaso desde fins de abril até o final de setembro. A planta necessita deste descanso hibernar, pois assim poderá viver da água armazenada em sua base intumescida.
Despeje apenas algumas gotas de água no final do inverno. Se a temperatura atingir mais de 15°C durante esta estação, continue as regas como de costume, embora isso não seja ideal.


Propagação

Plante as sementes em agosto ou setembro, utilizando um composto de boa qualidade, adequado a semeaduras. Cultive numa temperatura entre 18 e 21°C, se possível com uma base aquecida para germinação rápida. Quando as mudas estiverem com 5 a 7 cm de altura, plante-as separadamente.

Você pode encontrar uma bocárnia em viveiristas, mas é uma planta muito rara. As vezes, existem à venda algumas jovens pequenas. Procure também os criadores especializados em cactus e suculentas, que provavelmente terão sementes desta planta.


Cuidados e soluções

As dificuldades relativas ao desenvolvimento são poucas e remotas.
Se surgiram cochonilhas lanuginosas, retire-as com esponja embebida em partes iguais de água e álcool.
Água em demasia, no inverno, apodrece as raízes. Se chegar até o caule, não há como salvar a planta.


Nolina recurvata, pata-de-elefante, apresenta caule grosso e carnudo, marrom acinzentado, que se avoluma na base devido à água armazenada. As folhas longas, delgadas e arqueadas, crescem como uma plumagem a partir da haste. Os cachos de flores brancas, quase imperceptíveis, só aparecem em plantas adultas.

Nolina recurvata


N. longifolia possui folhas pendentes, firmes e espalhadas, crescendo como uma densa coroa. Cada folha chega a medir mais de 1,2 m de comprimento.

N. longifolia - Karw. ex Schult. f


Beaucarnea gracilis, bastante semelhante à N. longifolia, possui caule dilatado, em forma de garrafa, e uma coroa de folhas verde-acinzentadas de pontas agudas, que medem cerca de 15 mm de largura e 50 a 75 cm de comprimento. Em seu ápice, surgem cachos de flores branco-rosadas ou avermelhadas.

Beaucarnea gracilis


B. stricta é também parecida com a N. longifolia, mas com folhas muito duras, de pontas eriçadas e bordas ásperas, medindo cerca de 15 mm de largura.
 

B. stricta
 



 


Direção e Editoria
Irene Serra