Ano 17 - Semana 862
 


 

CUIDANDO DAS PLANTAS
ARQUIVO

 

Seja parceiro do
meio ambiente!

       18 de outubro, 2013
---

Alecrim
(Rosmarinus Officinalis)

O alecrim tornou-se muito conhecido por seu aroma delicado e passou ao cultivo desde tempos remotos na Europa Ocidental, tendo em vista tanto sua utilidade medicinal, como culinária. Essa planta arbustiva, de folhas permanentes e floríferas, também cria belos arranjos em vasos grandes, jardineiras ou em canteiros no jardim.

As folhas são usadas em forma fresca ou seca para dar sabor a carnes assadas, sopas, molhos, legumes, etc. As flores, que têm um sabor mais delicado, são adicionadas principalmente a sobremesas e ao mel. Óleos essenciais são produzidos para soluções de inalação, pomadas, xampus, loções, perfumes, desodorizantes e repelentes de insetos. Na medicina popular o alecrim foi recomendado como um estimulador da circulação sanguínea, para tratar a asma, reumatismo, resfriados, dores de cabeça, insônia e tensão nervosa.

Esse pequeno gênero compõe-se apenas de três espécies, todas originarias de regiões próximas ao Mediterrâneo. O alecrim comum (Rosmarinus officinalis) adaptou-se em vários locais montanhosos do Brasil, onde o clima assemelha-se ao de seu habitat natural. Forma um arbusto ereto ou semiereto que atinge uma altura considerável nos lugares de onde provém. Por meio de podas cuidadosas, mantém-se com o formato de uma touceira compacta, cuja altura e largura ficam entre 90 cm e 1,2 m. Cachos de pequenas flores rosa-malva surgem desde a primavera até o final do verão e o outono.

alecrim - foto de Jakub Krulich, Praga

Há conhecimento de variedade que pode hibernar em temperaturas de - 20° C, mas somente se  são plantadas em habitats protegidos e em solo seco.

Em algumas partes da Europa é um símbolo de felicidade, fidelidade ao amor e  é usado como uma flor de casamento, bem como a mirta.

Pode parecer incrível, mas na Inglaterra estão registradas mais de 80 variedades de Rosmarinus officinalis, que diferem em tamanho, folha ou flor.


Primavera e verão

Cultive em outubro. Comece com um vaso de 15 cm de diâmetro e mude as plantas para um de 20 cm no ano seguinte, depois para um recipiente final com 25 cm. Então, faça apenas a troca anual da camada superficial do composto por mistura nova e rica. Providencie uma boa drenagem no fundo do vaso, para que a planta nunca fique encharcada.

Em setembro, arranque qualquer parte ressecada ou galhos e ramos danificados ou queimados pelo frio, e encurte os ramos errantes. Em outubro ou depois da floração, faça as podas para dar formato aos exemplares muito desenvolvidos. Apare todos os galhos pela metade. Observe que as flores nascem nos ramos do ano anterior.

Mantenha o vaso em posição bem clara, ensolarada se possível. Dê preferência a um local ligeiramente protegido, em áreas mais frescas. O alecrim revela-se resistente à seca e terá mais viço se receber poucas regas; conserve o composto apenas umedecido.


Outono e inverno


A floração deve continuar no outono e somente com a ocorrência de baixas temperaturas tornam-se necessárias algumas precauções. O alecrim costuma resistir bem ao frio, mas convém mantê-lo em local onde receba o máximo de sol e proteção contra os ventos gélidos. Conserve o composto seco no tempo frio, em especial sob inverno mais rigoroso. A combinação de umidade e frio extremo pode ser fatal. Nas regiões muito úmidas, cubra o vaso com plástico transparente.

Para melhor drenagem, coloque no fundo do vaso pedrinhas. É frequente (especialmente no inverno) a causa da morte de raízes e, em seguida, toda a planta.


Propagação


Faça estacas com 10 cm de comprimento de galhos jovens, semilenhosos, em janeiro ou fevereiro. Remova as folhas inferiores, mergulhe o corte em pó de hormônio enraizador. Cultive numa mistura úmida de partes iguais de turfa e areia. Conserve as mudas umedecidas de leve e semi-sombreadas, em local fresco (quase frio). Não as perturbe até que surjam novas brotações, demonstrando que o enraizamento ocorreu (em geral após três semanas). Transplante as estacas em vasos individuais de 10 cm de boca. Passe a tratá-las como plantas adultas, reenvasando quando necessário.


Problemas & Soluções

O pior inimigo é o excesso de água nos meses mais frios. Por isso, faça uma boa camada de drenagem.
As pragas mais comuns são as moscas brancas. Passe um cotonete com álcool.

alecrim - foto de Jakub Krulich, Praga


Espécies

Rosmarinus officinalis, o alecrim comum, forma um arbusto ereto ou semiereto, de folhas permanentes, originário de regiões mediterrâneas e bastante adaptado a áreas montanhosas brasileiras. Ao natural, as plantas alcançam mais de 1,8 m de altura; no cultivo em geral conseguem se manter com 90 cm a 1,2 m de altura e de largura, através de podas. Galhos semilenhosos carregam uma densa cobertura de folhas muito aromáticas, curtas e lineares, com bordos arredondados, coloridas de verde-escuro, com verso esbranquiçado. Flores tubulares, de coloração azul-violácea, lilás ou ocasionalmente branca, nascem em pequenos cachos axilares, entre outubro e março. Atraentes variedades incluem a 'Fastigiatus', com formato bem espesso e ereto, folhas verde-azuladas e flores rosadas.

alecrim - foto de Jakub Krulich, Praga


R. Lavandulaceus é menos resistente ao frio, preferindo um local protegido e ensolarado. Trata-se de um arbusto de crescimento vagaroso, cujos ramos se espalham formando um tapete denso, com 90 cm a 1,2 m de largura, cobertos de folhas pequenas, de coloração verde-clara, que se recobrem de cachos de flores azuis, durante a primavera e o verão.

 

 


Direção e Editoria
Irene Serra