Ano 21 - Semana 1.059

 

 
ARQUIVO de MÚSICA




1º de janeiro, 2018


ZÉ RENATO: UMA VOZ DE ANJO

 

Cândido Luiz de Lima Fernandes


Elis Regina disse um dia que se Deus cantasse, teria a voz de Milton Nascimento. Se assim é, seu anjo mais dileto teria a voz aguda, super afinada e cristalina de Zé Renato. Este, sem dúvida alguma, é dono de uma das mais belas vozes masculinas da música popular brasileira.

Zé Renato, cujo nome completo é José Renato Botelho Moschkovich, nasceu em Vitória (ES) no dia 1º de abril de 1956. Toca violão desde a adolescência e começou sua carreira artística participando de festivais. Em 1977 integrou o grupo Cantares, ao lado de Marcos Ariel, entre outros, com o qual lançou, no ano seguinte, um compacto duplo pela Funarte, no projeto "Vitrines". Em 1979, formou, com Cláudio Nucci, David Tygel e Maurício Maestro, o quarteto vocal e instrumental Boca Livre, com o qual ganhou projeção nacional e gravou vários discos (ver lista ao final). Construiu sua carreira solo paralelamente ao seu trabalho com o Boca Livre, participando individualmente de vários projetos musicais, que são apresentados a seguir.

Em 1983 lançou "Fonte da Vida", seu primeiro disco solo, e, no ano seguinte, "Luz e Mistério", no qual interpreta canções de autoria de Beto Guedes, Caetano Veloso, Ronaldo Bastos, Milton Nascimento e Fernando Brant.

A partir de 1984 começou a atuar em dupla com Cláudio Nucci, com quem lançou o disco "Pelo sim, pelo não", com músicas de sua autoria além de composições de Juca Filho, Cláudio Nucci e Xico Chaves. Suas canções "Pelo sim, pelo não" (parceria com Claudio Nucci e Juca Filho) e "A hora e a vez" (parceria com Cláudio Nucci e Ronaldo Bastos), gravadas nesse disco, foram incluídas na trilha sonora de "Roque Santeiro", telenovela da Rede Globo.

Em 1985 participou da trilha sonora de "O tempo e o vento", minissérie transmitida pela Rede Globo, gravando as músicas "Rodrigo, meu capitão" e "Dona Bibiana", de Tom Jobim. Em 1986 formou, com Cláudio Nucci, Ricardo Silveira, Marcos Ariel, Zé Nogueira, Jurim Moreira e João Batista, a Banda Zil, com a qual lançou, em 1988, o LP "Zil". O disco foi relançado dois anos depois pela Polygram americana nos Estados Unidos, Europa e Japão, acrescido de sua canção "Song for a rainforest" (parceria com Cláudio Nucci), e esteve durante duas semanas na parada de sucessos da revista Billboard.

No ano seguinte integrou a banda de Al di Meola, participando da gravação do LP "Tiranizo" e de turnês pelos Estados Unidos e Europa. Em 1988 lançou "Pegadas" e, em 1989, “Arranha Céu”. Em 1993 formou um trio com Victor Biglione e Litto Nebbia, gravando em Buenos Aires o disco "Ponto de Encontro", lançado no Brasil pela Leblon Records.

Em 1995 lançou o disco “Natural do Rio de Janeiro”, em que canta sambas de autoria de Zé Keti, como Opinião, Nega Dina, Malvadeza Durão, Diz que fui por aí, Máscara negra e A voz do morro, dentre outros.

Em 1997 foi a vez de “A alegria continua”, com a participação de Elton Medeiros e Mariana de Moraes, em que apresentam músicas de autoria de Elton Medeiros, como Onde a dor não tem razão, Mascarada, Peito Vazio, Pressentimento, A Ponte, Ame, ao lado de músicas de Cartola, Paulinho da Viola, Zé Kéti, Pixinguinha e Wilson Batista.

O ano de 1998 marca o lançamento de “Sílvio Caldas 90 anos com Zé Renato e Orquestra”, em que homenageia Sílvio Caldas com a interpretação de músicas que se tornaram conhecidas na voz do grande cantor, como Chão de Estrelas, Serenata do Adeus, Rancho Fundo, Maringá, Serra da Boa Esperança e Velho Realejo.

Em 1999 Zé Renato explorou, no CD “Cabô” o próprio material autoral, numa linha de samba choro seresteiro (Cama de Ilusão, com Paulinho Moska), sambas canções (Tarde Demais, com Abel Silva), samba sincopado (Pandeiro, com Nei Lopes), afro-samba (Cândidas Neves, com Nei Lopes), samba gingado (Na São Sebastião, com Lenine), Recente Viuvez (com Sérgio Fonseca), samba lento (Porque Eu Estou Aqui, com Arnaldo Antunes), além de pérolas alheias pinçadas com esmero como o coco Como Tem Zé na Paraíba (Manezinho Araujo e Catulo de Paula) e o sincopado Até Hoje Não Voltou (Geraldo Pereira e J.Portela).

Em 2001 lançou o belo CD “Filosofia”, com obras de Noel Rosa e Chico Buarque. De Noel escolheu, dentre outras, Três Apitos, Último desejo, Feitio de oração, Pela décima vez, Quem ri melhor. De Chico selecionou Cotidiano, Até pensei, Samba do Grande Amor, A Rita, Olhos nos olhos, Homenagem ao malandro e Samba e Amor.

Em 2002 gravou, juntamente com Wagner Tiso, o precioso CD “Memorial”, que contém pérolas ancestrais, algumas do fim do século XIX e início do XX, recriadas de modo suave e evocativo, tais como Amo-te muito (João Chaves), Peixe Vivo (domínio popular) ,Tristeza do Jeca (Angelino de Oliveira), É a ti flor do céu (M.Ferreira, T.Ferreira), Malandrinha (Freire Júnior) e Noite cheia de estrelas (Cândido das Neves).

No ano de 2003 foi a vez de ”Minha praia”, em que se destacam A hora e a vez, Toada, Moda, Andorinha, Só nós dois, Insônia e Folhas no ar.

Em 2004 gravou, juntamente com o grupo lusitano Trinadus, um belo CD que promove o encontro das culturas brasileira e portuguesa. Nele se encontram os fados Foi Deus, Nem às paredes confesso, Minha Lisboa de mim, ao lado das brasileiras Navegante (Sidney Miller), Carolina (Chico Buarque), Pois é (Ataulfo Alves) e Malandrinha (Freire Junior), com um lindo acompanhamento de guitarra portuguesa, violão, viola, sax soprano, violino, violoncelo e contrabaixo.

Lançou em 2008 o CD “É tempo de amar”, em que homenageia a Jovem Guarda, com a interpretação de canções como Eu não sabia que você existia, Nossa canção e O tempo vai apagar.

2009 foi o ano do CD “Zé Renato - Ao vivo “, com as músicas Foi Deus, Todo mundo quer um bem (em parceria com Fausto Nilo), Eu quero botar meu bloco na rua (Sérgio Sampaio), Não é para mim (versão de But not for me, de George e Ira Gershwin), entre outras.

Em 2011 lançou o belíssimo CD “Papo de Passarim”, com a participação de um cantor de voz também belíssima, Renato Braz. Os destaques deste CD são A hora e a vez, Papo de passarim, Desenredo e Rio Amazonas (Dori Caymmi e Paulo César Pinheiro), Sem fim (Novelli e Cacaso)/Ânima (Zé Renato e Milton Nascimento), Kid Cavaquinho/De frente para o crime (João Bosco e Aldir Blanc) e A saudade mata a gente (João de Barro e Antônio Almeida).

Também data de 2011 o CD autoral “Breves Minutos”, que apresenta, dentre outras, as canções Vai, tambor (parceria com Juca Filho), De onde é que vem a saudade, Um abraço no Japão, Tá legal e Desarmonia (parcerias com Joyce Moreno), Imbora e Na trilha do meu sonho (parcerias com Pedro Luís).

Em 2014 o ZR Trio (formado por Zé Renato no violão, Tutty Moreno na bateria e Rômulo Gomes no contrabaixo elétrico) lançou o CD “O Vento da Madrugada Soprou”, cujos destaques são Na São Sebastião (parceria com Lenine), O tempo não apagou (Paulinho da Viola), Tenha dó (parceria com Pedro Luís) Luz do sol (Carlos Pinto e Waly Salomão), Consolação (Baden Powell e Vinicius de Morais), Não quero mais amar a ninguém (Cartola) e Tribos (Zé Renato e Joyce Moreno).

Para 2018, paralelamente à retomada dos shows com o grupo Boca Livre e Banda Zil, Zé Renato prepara um novo álbum solo, já batizado de “Bebedouro”.

Antes do álbum completo chegar, lançou recentemente o single Náufrago”. Fruto de uma parceria com o carioca Nei Lopes, esta canção foi inspirada na cantora Cesária Évora e nos sons do Cabo Verde.

“Bebedouro”, que será lançado em janeiro de 2018, contará com as participações especiais de Dori Caymmi, Moraes Moreira, Dadi, Celso Fonseca, Vinícius Cantuária, João Cavalcanti e Pedro Miranda. Os jovens do Grupo Subversos e João Moschkovich, guitarrista e filho de Zé Renato, também participam do álbum, que reúne a nova safra de canções com parceiros como Joyce Moreno, Paulo César Pinheiro e Moacyr Luz, entre outros. Estou ansioso pela chegada deste novo CD.


CDs gravados pelo quarteto Boca Livre:
Boca Livre (1979), com destaque para as canções Toada, Quem tem a viola, Mistérios, Ponta de Areia
Bicicleta (1980), com destaque para as canções Bicicleta, Correnteza (com Tom Jobim) , Saci (com Tom Jobim)
Folia (1981), com destaque para Desenredo, Se meu jardim der flor (com MPB-4), Alguém cantando, Desenredo
Boca Livre (1983), com destaque para Panis et Circensis, Ânima
Boca Livre em Concerto (1989), com destaque para Diana e Azul da Cor do Mar
Dançando pelas sombras (1992), com destaque para Cruzada, Oriente, e Caxangá
SongBoca (1995), com destaque para Feito Mistério e A hora e a vez
Boca Livre Americana (1996), com destaque para Duas praias, A partida e Americana
Boca Livre 20 anos convida (1997) com as participações de Gal, Paulinho Moska, Djavan, Erasmo Carlos, Beto Guedes, entre outros
Boca Livre e 14 Bis ao vivo (2000), com destaque para Canção da América, Bola de Gude, Bola de meia, Paula e Bebeto
Boca Livre e ao Vivo (2007), com destaque para O trenzinho caipira e Al outro lado del rio.

 

 

Cândido Luiz de Lima Fernandes é
economista e professor universitário em Belo Horizonte;
email: candidofernandes@hotmail.com



 


Direção e Editoria
IRENE SERRA
irene@riototal.com.br