-

Olha Aí o Natal!


Luiz Carlos Amorim


E dezembro chegou, o Natal está aí. De repente começo a notar a decoração natalina nas ruas, nos prédios, em todo lugar, a publicidade na televisão e nos jornais apoiadas em músicas natalinas e em Papai Noel e me dou conta de que amanhã é Natal. (Esqueci de dizer que o jacatirão nativo florescendo nas matas é um forte indício de que o final de ano está próximo – quando é que vou parar de falar em jacatirão?)

Eu não deveria me surpreender, pois há meses estou escrevendo meu livro de contos de Natal – ainda tenho uns dois ou três para terminar – então meio que estava no clima, mas essa festa de sons e cores que antecedem a data que comemora o nascimento daquele Menino que vem pra gente, sempre nessa época, ainda que a data tenha sido transformada em festa meramente comercial, me acordam para o final do ano.

E por falar em música natalina, sou o maior entusiasta dessa música, tenho até um poema de Natal meu que foi musicado por compositor pernambucano, “O Natal que eu quero”. Ele gravou e mandou pra mim.

Há uma meia dúzia de anos eu catei músicas de natal brasileiras, mais aquelas importadas clássicas, nossas conhecidas, mais algumas portuguesas e de outros países, mais aquela minha, que citei acima e fiz um CD, que dei de presente por anos a fio.

Devo repetir o presente este ano e dá-lo de presente também para os leitores que comprarem meu “Livro de Natal”, coletânea de contos, crônicas e poemas sobre a data.

Ah, o meu livro de contos de Natal não é para este ano, é para o próximo. Só preciso terminá-lo este ano e esta é uma boa época para isso. Hoje, inclusive, me ocorreu um bom argumento para mais um conto. Vamos ver no que dá.

Então estamos quase no Natal, gente. Precisamos tentar não esquecer o que ele significa. Desde já, Feliz Natal pra todos.
 

lc.amorim@ig.com.br