-

Espírito de Natal


Rachel Campos Vieira Machado


Meu marido e eu gostamos muito de fotografia. Ela vem nos dando oportunidades de ir a lugares diversos e a eventos. Quem gosta de fotografia pega detalhes dos lugares e das pessoas. Nesta caminhada tenho percebido, por diversas vezes, que as maiorias das pessoas estão apressadas, ansiosas, irritadas e até mesmo mal educadas. Mas neste tempo de Natal um detalhe me chamou atenção. A busca do espírito de Natal...

O poder econômico e o consumismo estimulado pelos governantes, fizeram a mídia perder este espírito. Onde estão as canções natalinas? Onde estão as propagandas bem feitas, que fazem aparecer a essência do Natal? Acabaram? Tristemente deram lugar à música mesclada de rock. Que pena!

Nestes dias visitei lugares onde a Prefeitura criou espaço para o retorno desses momentos mágicos da essência natalina. Não somente as crianças rejubilam, mas o que impressiona são os adultos. As fisionomias mudam, as recordações se afloram e alegria toma conta de todos.

Vi avós sorrindo, batendo palmas, senhoras mães dando gritinhos, se emocionando. As crianças aproveitam, mas os adultos curtem. E como! Na Praça da Liberdade há vários papais noeis que cantam e falam. Em frente a eles um aglomerado de gente. Perguntei a uma senhora que estava sozinha: O que acontece aqui?

- O Papai Noel daqui a 15 minutos vai cantar.
- E a senhora está esperando?
- Sim, já faz tempo.
- Vale a pena?
- Já tem uma hora que estou aqui. Já escutei uma vez e estou esperando para escutar de novo. É lindo, uma ternura, falou emocionada.

Esta carência de manter as tradições, os sonhos, está bem evidente. Apesar dos pesares, o povo, a gente, procura manter esta cultura e os valores herdados de gerações. Ainda bem!

“Somos plenamente nós mesmos quando atingimos a seriedade de uma criança brincando”. (Heráclito).


 

foto de rvmachad@terra.com.br