-

A Diversidade das Comemorações



O Natal é uma festividade com características muito próprias, sendo celebrado de diferentes formas em diferentes países do mundo. As tradições ou condicionalismos locais levaram a que o culto do Nascimento de Jesus Cristo fosse pontuado por diferentes situações. No entanto, nos últimos anos assiste-se a um predomínio cada vez maior das influências anglo-saxônicas nas tradições natalinas, que são cumpridas mesmo em países em que a religião cristã não tem forte imposição.


Nos Estados Unidos e na Grã-Bretanha, as tradições natalinas são bastante semelhantes. Por exemplo, existe uma tradição muito antiga de fazer caixas de presentes nas quais são recolhidas oferendas, geralmente em dinheiro e que são depois distribuídas aos pobres no dia 26 de dezembro.  Embora essa tradição já não seja muito corrente, esse dia continua a ser feriado ("Boxing Day").

Ainda as cantigas de Natal que são cantadas pelas ruas e às portas são também uma outra forma de celebração usual nesta altura do ano. As Janeiras portuguesas são semelhantes embora sejam só cantadas depois do início do ano novo, enquanto os norte-americanos e ingleses as ouvem durante toda a época natalícia.

A Inglaterra comemora o Natal há mais de 1.000 anos. Presentes de natal, pinheirinhos decorados e músicas natalinas são mais comuns na Inglaterra que em qualquer outro país do mundo.


Na França
, a tradição dita que o Pére Noel e o seu ajudante Pére Fouettard distribuam os brinquedos de Natal. O ajudante do Pai Natal é especialmente temido pelas crianças por ser ele a avaliar se o comportamento ao longo do ano merece uma recompensa ou uma punição.
Nessa época se destacam os enfeites luminosos que se espalham pelas cidades, os presépios e pela qualidade e diversidade dos alimentos servidos na ceia.
Tradicionalmente os parisienses fazem ceias com ostras e foie gras. Na Acácia, o prato principal é o ganso. Na Borgonha é o tradicional peru com nozes.
O doce típico é o "Buche de Noel", coberto com chocolate em forma de tronco de árvore.


Na Espanha, as celebrações do Dia de Natal limitam-se à festa familiar e a uma forte refeição. A troca de presentes está reservada para o dia 6 de Janeiro, altura em que os Reis Magos visitaram o Menino Jesus com as suas oferendas. As crianças têm o hábito de colocar os sapatinhos à janela com palha e cenouras para os cavalos dos Reis Magos que lhes trazem os presentes.



Na Holanda, Luxemburgo e Bélgica
, a tradição diz que o Pai Natal ("Sinterklaas") vem de Espanha, de onde parte no dia 6 de Dezembro e distribui os seus presentes pelas crianças montado no seu cavalo. A designação do pai Natal nestes países passou para os Estados Unidos, onde o Pai Natal é referido como Santa Claus.


Nos países nórdicos, a tradição do Pai Natal subsiste embora não seja ele o responsável pela distribuição dos presentes às crianças. É um duende, que vive debaixo das casas e que recompensa os meninos bons e castiga os malvados, tendo observado as suas ações ao longo do ano.

Na Suécia,
o natal tem seu início em 13 de dezembro, data em que se comemora o dia de Santa Luzia.  Nas festividades desse dia há uma procissão em que as pessoas carregam tochas acesas. De resto, as tradições de natal suecas são muito parecidas com as do resto do ocidente.

Na Finlândia,
freqüentam saunas na véspera de natal e visitam cemitérios para homenagear os entes falecidos.


Na Rússia
, a tradição é bastante diferente. O Natal é comemorado no dia 7 de janeiro e a distribuidora de presentes é Babouschka, que, segundo a lenda, se recusara a dar abrigo e comida aos Reis Magos quando estes se dirigiam a Belém. Ao saber o que fizera e para se redimir, Babouschka percorre as aldeias visitando todas as crianças e deixando-lhes prendas.
Uma curiosidade é que, durante o regime comunista, as árvores de natal foram banidas da Rússia e substituídas por árvores de ano novo. Segundo a tradição natalina dos russos, a ceia deve ter muito mel, grãos e frutas, mas nenhuma carne.


Na Austrália e Nova Zelândia
, as tradições anglo-saxônicas são seguidas. Tal como na Inglaterra, a ceia de natal inclui o tradicional peru e os presentes de natal são dados na manhã do dia 25. Mas, devido às diferenças de clima, o Natal não inclui muitas das celebrações associadas ao inverno e alguns australianos comemoram na praia.



No Japão
, onde só 1% da população é cristã, o natal ganhou força graças à influência americana, depois da segunda guerra. Por questões econômicas, os japoneses foram receptivos com algumas tradições, como a ceia de natal, o pinheirinho e os presentes de natal.



No Iraque
, para os poucos cristãos aí residentes, a principal tradição natalina é uma leitura da Bíblia feita em família. Há também o “toque da paz”, que segundo a tradição natalina do Iraque, é uma benção que as pessoas recebem de um padre.


Na África do Sul
, o Natal acontece durante o verão, quando as temperaturas podem passar dos 30 graus. Devido ao calor, a ceia de natal é servida em uma mesa colocada no jardim ou no quintal. Tal como na maioria dos países, tradições como árvores de natal e presentes de natal são quase obrigatórias.


 


irene@riototal.com.br