Ano 12 - Semana 659



 ARQUIVO
 

     21 de novembro, 2009
---

Cristo Redentor

(Uma das 7 Maravilhas do Mundo Moderno)
 

Cristo Redentor - RJ

O Cristo Redentor, símbolo da Cidade do Rio de Janeiro, foi eleito como uma das 7 Maravilhas do Mundo Moderno, entre 21 monumentos participantes.

De braços abertos sobre a Guanabara, o Cristo Redentor abraça o Rio. Fica no alto do morro do Corcovado (nome dado ao morro no século XVII pela semelhança a uma corcunda), a 710m acima do nível do mar, tendo visão panorâmica de 360°.  A vista é realmente deslumbrante e de lá pode-se entender porque a cidade ganhou o nome de Cidade Maravilhosa.

A estátua tem 30m de altura, com 28m de envergadura, pesa 1.145 toneladas e está colocada sobre um pedestal de 8m de altura onde existe uma capela para 150 pessoas.
A altura da cabeça é 3,75m e o comprimento da mão 3,20m.

A idéia da construção da estátua data do século XIX quando, em 1859, o padre Pedro Maria Boss sugeriu que fosse erguido no topo do morro do Corcovado (à época Pináculo da Tentação) um monumento religioso. 
Somente em 1921 o projeto foi retomado, tendo como foco as comemorações do Centenário da Independência do Brasil. Em 1922, o presidente Epitácio Pessoa doou o topo do Morro do Corcovado para a construção da estátua e, no dia 4 de abril, foi lançada a pedra fundamental da construção.
A estátua foi desenhada pelo artista plástico Carlos Oswald  (alguns relatam que, a princípio, era a imagem de Jesus, segurando uma cruz na mão esquerda e um globo na mão direita. Segundo o historiador Milton Teixeira, há controvérsias a essa história.)
Em 1926, finalmente, a obra foi iniciada, com projeto do engenheiro Heitor da Silva Costa, que convida a dela participarem Paul Landowsky e Albert Caquot, sendo esse o responsável pelos cálculos estruturais que garantiram a estabilidade do Cristo, suportando até 200 km de vento.

Desde o momento em que foi inaugurada, a 12 de outubro de 1931, transformou-se no símbolo da cidade.
Conforme a jornalista Carla Vieira "O que o fascinava era que o Cristo, diferente de muitos outros monumentos, ganhava um destaque especial por se posicionar acima da cidade, num ambiente sem disputa de atenções, sem desarmonia com as construções, justamente por não haver nada que impedisse ou dificultasse sua visualização. "


Vista da Enseada de Botafogo, Praia da Urca e Pão de Açúcar.


Ao desembarcar do Trem do Corcovado, três elevadores panorâmicos, com capacidade para 14 pessoas cada, conduzem os visitantes a um ponto intermediário, onde estão localizadas quatro escadas rolantes, com capacidade de tráfego para 9 mil pessoas por hora – duas em cada direção.
Uma curiosidade é que, para oferecer maior comodidade e possibilitar aos visitantes deslumbrar o visual, as escadas foram postas na mão inglesa. A subida é feita pelo lado esquerdo, proporcionando ao visitante contemplar a paisagem da cidade, antes mesmo de se atingir o topo do mirante. Para descer, as escadas de acesso são as da direita, mais próximas da parede de pedra, o que diminui o desconforto de se descer olhando para baixo.

Em 1973, o conjunto paisagístico do monumento foi tombado pelo Instituto do Patrimônio Histórico Nacional (Iphan), mas a escultura só conseguiu o feito em março de 2005.

Por estar localizada no Parque Nacional da Tijuca, que é uma unidade de conservação, o Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e Recursos Naturais Renováveis (Ibama), assume a responsabilidade de conservação, limpeza e vigilância da estátua do Cristo Redentor.

O trem que sobe o Corcovado sai da Estação do Cosme Velho, um ambiente de lazer e entretenimento moderno e confortável. Além da área de embarque, há lojas de apoio turístico, sala VIP e auditório. O grande destaque é o Espaço Cultural, onde se perpetua toda a rica história da Estrada de Ferro e do Monumento ao Cristo.

Foto de Carvalho Pinto

A estrada de ferro surgiu graças a uma visita que Dom Pedro I fez ao Corcovado. Ao se deslumbrar com a vista de lá proporcionada, solicitou que fosse aberto um caminho ao cume, que deu início ao trajeto da estrada de ferro.
O primeiro trecho, Cosme Velho – Paineiras, foi inaugurado em 1884 e o segundo, Paineiras – Corcovado, no ano de 1885, totalizando os 3.800 m da ferrovia. À época, as composições tracionadas por locomotivas a vapor completavam o percurso em 45 minutos.
Em 1912, houve mudança de tração de vapor para elétrica, sendo pioneira no país. Os trens utilizados hoje em dia são de fabricação suíça e seu sistema de tração é feito por cremalheira e têm capacidade para transportar 124 passageiros. Para percorrer essa distância, cujo aclive máximo é de 30%, gastam, na subida, 17 minutos, a uma velocidade de 15 km/h e, na descida, 22 minutos, a 12 km/h.
 

Vista de parte da Zona Sul
Vista da Curva do Calombo, Ipanema, Leblon e Jóquei. Ao centro, a Lagoa Rodrigo de Freitas.


CURIOSIDADES


Mesmo com toda a grandiosidade do monumento, não há registros de morte em seu período de construção.

Durante a obra, o acesso à visitação ao Morro do Corcovado, não foi interrompido. A cada dois trens de transporte de passageiros, subia um, especialmente montado para o transporte das partes do Cristo.

Para a estrutura foi usado cimento armado, ao invés de armação metálica, e para o revestimento foi escolhido pedra-sabão, material muito resistente às variações climáticas. Esse revestimento foi aplicado por senhoras católicas. O revestimento é feito por pedaços em forma de triângulo (colados em papelão para serem aplicados à estátua).

Os moldes da cabeça e das mãos, em gesso, em tamanho natural, foram construídos na França, recortados, trazidos ao Brasil e aqui reconstruídos em concreto armado.

A cabeça do Cristo é constituída de 50 pedaços. Em seu interior há 12 pavimentos, sendo, no 11º, o coração.

A face, levemente voltada para baixo e para a esquerda, também foi estrategicamente planejada para ser avistada da cidade e para dar à estátua a suavidade de quem protege e abençoa.

O monumento era de cor verde e durante 50 anos, por não haver limpeza, ele assumiu a cor cinza.

O brasileiro que ligou a chave para iluminar o Cristo Redentor foi o soldado Gustavo Corsão, que posteriormente se tornou um escritor católico.

A iluminação do Cristo Redentor é mantida até os dias de hoje pela General Electric (GE), sem custo, por isso ela detém o direito de imagem de uso nas lâmpadas.
 

Cristo Redentor, RJ - foto Simon Poulsen
Cristo Redentor visto de costas.
 

 



Endereço: Parque Nacional da Tijuca
Acesso: Estrada de Ferro Corcovado - Rua Cosme Velho, 513
Os trens saem a cada meia hora - das 8h30min às 18h30min.
Tel: (21) 2285-2533

 



Você conhece algo interessante sobre o Rio?
Envie o texto que publicaremos.


Direção e Editoria
IRENE SERRA
irene@riototal.com.br