Pontos Turísticos
- Angra dos Reis
- Arcos da Lapa
- Convento S Antônio
- Cristo Redentor
- Esportes de verão
- E. Cult. da Marinha
- Fortaleza Sta Cruz
- Ilha de Paquetá
- Jardim Botânico
- Jardim Zoológico
- Maracanã
- M. Carmem Miranda
- M. Chácara do Céu
- Museu do Açude
- Museu Nacional
- Palácio Imperial de S. Cristóvão
- Pão de Açúcar
- Petrópolis
- Praia de Ipanema
- Praia de Copacabana
- Quinta da Boa Vista
- Sítio Burle Marx
- Theatro Municipal

Contos & Contos
- Andança da nossa catedral
- Andança dos padres
- Baixios, lagoas e morro do Castelo
- Descobrindo o RJ
- O RJ cresce e se desenvolve
- O sal do RJ
- Primeiros teatros
- Rua Direita

- Jogos de atrativos

- Ode ao Rio


Jorge Mitidieri

Cerveja Marca Barbante


Em frente ao Teatro Lírico, Largo da Carioca, existiu uma fábrica de cerveja, que talvez tenha sido a primeira no Brasil, pois as cervejas que eram consumidas vinham da Alemanha e da Inglaterra. Era a Cervejaria da Guarda Velha (Avenida Treze de Maio). O produto da Cervejaria era uma cerveja de baixa fermentação, acondicionada em pequenas garrafas.

O curioso é que, não tendo ainda sido inventadas as chamadas chapinhas, eram as garrafas fechadas com rolhas de cortiça, mas isso era um grande problema pois com a fermentação, a cerveja expelia a rolha com todo seu conteúdo. Para evitar que isso acontecesse, essas rolhas eram amarradas aos gargalos com um cordel, que deveria ser cortado quando do consumo da cerveja. Por esse motivo, o povo passou a chamá-la de “Cerveja Marca Barbante”, não somente pelo modo como era segura a rolha como pelo baixo teor de fermentação.

Essa é a origem do termo “marca barbante” que qualificou, por muito tempo, qualquer artigo de qualidade inferior.

Do livro Contos e Contos,
 de Jorge Mitidieri,
professor e agente de turismo
jmvrlm@gbl.com.br
 

 


Direção e Editoria
Irene Serra
irene@riototal.com.br

Revista Rio Total