Pontos Turísticos
- Angra dos Reis
- Arcos da Lapa
- Convento S Antônio
- Cristo Redentor
- Esportes de verão
- E. Cult. da Marinha
- Fortaleza Sta Cruz
- Ilha de Paquetá
- Jardim Botânico
- Jardim Zoológico
- Maracanã
- M. Carmem Miranda
- M. Chácara do Céu
- Museu do Açude
- Museu Nacional
- Palácio Imperial de S. Cristóvão
- Pão de Açúcar
- Passeio Público
- Petrópolis
- Praia de Ipanema
- Praia de Copacabana
- Quinta da Boa Vista
- Sítio Burle Marx
- Theatro Municipal
- Outeiro da Glória

Contos & Contos
- Andança da nossa catedral
- Andança dos padres
- Baixios, lagoas e morro do Castelo
- Cadeia especial
- Cemitérios
- Cerveja marca Barbante
- Como nasceu a aposentadoria
- Confeitaria Colombo
- Corpo de Bombeiros
- Descobrindo o RJ
- E a mulher, onde ficava?
- Esqueletos
- Igreja da Santa Cruz dos Militares
- Jogo do bicho
- O poder da Igreja
- O 1º seqüestro
- O RJ cresce e se desenvolve
- O sal do RJ
- O sinos que falavam
- Primeiros teatros
- Rua Direita
- Rua Santa Luzia
- Transportes
-
Jogos de atrativos


- Ode ao Rio

 

Rua das Belas Noites

      
E sobre a Rua das Marrecas, também podemos contar alguma coisa...

Em frente ao belo chafariz no Passeio Público, do qual jorravam águas dos bicos de cinco aves de bronze, existia uma rua que inicialmente tinha o nome de Rua das Belas Noites, mas que acabou recebendo o nome pelo qual hoje é conhecida: Rua das Marrecas.

Esta rua, na época em que era chamada de Rua das Belas Noites, era o local preferido dos cariocas que iam passear no Passeio Público. Era famosa, pois lá existiam “Pensões Francesas”, assim chamadas pois eram habitadas pelas chamadas “Polacas”, que eram judias foragidas de seu país. Essas “Polacas”, viviam nas garras de uma organização internacional de exploração de escravas brancas, chamada Zwig Migdal. Eram submissas ao poder de valentões, os “Capoeiras”, que periodicamente invadiam a rua, perturbando o seu trabalho, perturbando a Paz, e desenvolvendo brigas e algazarras. Quando isso acontecia, as “moças” fugiam, e para os clientes diziam que estavam EIN KRANKE, que quer dizer muita dor, por isso não podiam trabalhar. A palavra acabou em bom carioquês, transformando-se em uma das mais belas gírias do carioca “ENCRENCA”.

 

Do livro Contos e Contos,
 de Jorge Mitidieri,
professor e agente de turismo
jmvrlm@gbl.com.br

 


Direção e Editoria
Irene Serra
irene@riototal.com.br

Revista Rio Total