A Praia do Leme

Enquanto Copacabana se desenvolvia, beirando a encosta e tendo à sua frente uma grande faixa arenosa de praia, existia um caminho que ia da Pedra do Ingá (ao lado do Copacabana Palace) até a praia do Leme.

De onde vem esse nome Leme? Talvez por se ter uma visão total da praia, como se ela fosse um grande navio, Leme - que significa o dispositivo que serve para dar a direção de uma Nau - ela assim passou a ser conhecida.

A Pedra do Ingá praticamente dividia a extensa praia em duas partes. Quando da maré cheia, essas duas partes ficavam separadas e se molhavam os pés para se cruzar de um lado para outro. Nesse recanto começaram a aparecer as belas residências daqueles que procuravam o sossego e um pouco mais de privacidade. O local era um provável quilombo – “Caminho dos Pretos Quebra-Bolos”, ou seja, os pretos que tinham quebrado as palmatórias ou “bolos” com que eram castigados pelos Senhores de Engenho, fugiam e lá se refugiavam.

Essa tranqüilidade permaneceu até 1905 - uma vez que Copacabana se desenvolvia e o Leme permanecia sem nenhum apoio de condução.

A Companhia Ferro Carril estendeu seus trilhos até o Leme e construiu um belo e grande restaurante balneário, com um belo terraço dando vista para o mar, tendo em anexo a estação final de bondes. Esse restaurante balneário, teve papel destacado na boemia do Rio de Janeiro – “O BAR DO LEME”.

 

Do livro Contos e Contos,
 de Jorge Mitidieri,
professor e agente de turismo
jmvrlm@gbl.com.br

 

 


Direção e Editoria
Irene Serra
irene@riototal.com.br

Revista Rio Total