PROGRESSISTA OU CONSERVADOR?


Estão os dois amigos tomando o licor de anis e o chocolate cremoso quando a conversa começa. Rospo, que adora ser enlaçado por uma conversa, recebeu a provocação da amiga com um sorriso largo.

—  Rospo, você é progressista ou conservador? Quem é você?

—  Pois é, Sapabela.

—  Não fuja pela tangente. Esse seu “Pois é” eu adoro, mas prefiro resposta mais objetiva...

—  Que pergunta mais desnecessária, Sapabela.

—  Você que pensa! Veja só. Tem no seu gosto o melhor do cinema, a nata, o requinte...

—  A arte...

—  Pois é, todo mundo atrás do aracnídeo, e você com “Shane”. E no entanto, sente saudades do tempo eu que lia o “Espírito- que -anda”, ora, Rospo... Não gosta de mascarados, mas curte um personagem com histórico de colonialismo cultural...

—  “O filho substitui o pai”. Que coisa linda é isso.

—  Por que disse isso?

—  É a Mitologia do “Espírito”.

— Tem um refinamento musical comovente, ao mesmo tempo defende canção que fala de “ciúme de tudo”. Pensa que eu não acompanho tudo? Ama o Rock in Roll, e ao mesmo tempo o bolero... Como é isso?

— Sapabela, outro dia sonhei que você estava bêbada. Parecia uma personagem de Fellini.

—  Bêbada de licor de anis com chocolate? Ora, Rospo!, eu vivo bêbada.

—  É?

—  Sim. A minha alma é bêbada de luzes. Sou como os poetas bêbados que vagam pela cidade. Eu bebo as luzes da cidade, e as luzes das estrelas, e quando precisam de clareza, eu participo.

—  Linda!

—  Ainda não me respondeu: é progressista ou conservador?

—  Sou os dois, minha doçura.

—  Ou é uma coisa ou é outra, ou é isto ou aquilo. Nunca leu o poema da Cecília Meireles?

—  Ocorre que sou anfíbio, lembra-se?

—  E o que tem isso a ver?

— Sou progressista porque creio na Ciência do Espírito, e defendo ardorosamente que só a luta pelas liberdades dignifica o ser. Somos aquilo pelo qual lutamos. Nenhuma forma de opressão me interessa, e compreendo bem o silêncio de alguns amigos quando um sapo faz algum sucesso, e compreendo que toda violência deve ser varrida, e aquele que oprime deve ser sempre denunciado, com firmeza. Acredito na ética acima da moral, e luto pelos meus sonhos, e tenho um respeito profundo pelos que sonham e acreditam...

—  Muito bem, esse é o seu lado progressista, mas, e o lado conservador?

— Aprecio e defendo tudo aquilo que deve ser conservado. O amor, a amizade sincera, a luta pela liberdade, a canção, a poesia, a infância, o respeito profundo pela sapa e pela criança, e também...

—  Compreendi, Rospo. Obrigado. Vamos pedir um novo chocolate quente?

—  Yupiiii!

—  Sem escândalo! Está todo mundo olhando. Será que não consegue se comportar? Parece que bebeu.
 


10 de agosto, 2012
Ano 16 - N° 799