AGORA QUE COMEÇOU


Sapabela, de vestidinho rosa, vestindo-se de sexta-feira, decide visitar o amigo Rospo, para um licor de prosa na padaria Rubi. No caminho, encontra uma amiga e surge uma conversa relâmpago.

— Como anda a vida, Sapabela?

— Muito bem, decidi estudar um idioma. Tenho paixão pelo “Italiano”... E estou pensando seriamente em encarar uma faculdade em 2013... E você?

— Também vou bem, Sapabela, mas, deixe disso.

— Não entendi.

— Está na hora de você descansar... Cuidar da cozinha, deixar a casa brilhando e deitar no sofá e pegar um cinema caseiro...

— A minha casa está brilhando, sempre... Aprendi com a voz dos tempos, que é a voz do contador de histórias, que se o morador brilha, a casa reflete o seu brilho, e como eu brilho, minha casa está sempre brilhante...

— Ora, Sapabela. Estudar, faculdade... Pare com isso! Você já sofreu muito, já fez de tudo, já lutou muito pela vida, agora é melhor repousar, ficar na sua. Chega de lutar!, chega de tantos sacrifícios, é hora de gozar a vida.

— A vida é movimento, querida.

— Veja um lago. As águas paradas...

— Se você está à beira do lago, como fica um certo amigo meu, você está contemplativa, está no ócio socrático, está pensando, matutando, criando mundo, navegações estelares nas luzes dos neurônios...

— Sapabela, você já não tem idade. Agora é tempo de curtir a vida. Chega de tanta luta!, tantas aventuras... Vá cuidar de você, ou seja, repouse, não se arrisque. Goze, Sapabela, goze! Goze!...

— Não fica pedindo isso não, por favor.

— Está maluca? Estou dizendo para você aproveitar o tempo que lhe resta de vida, e descansar...J á pensou? Estudar! Pare com isso! O tempo disso já passou!

— Já passou?

— Claro!

— Pois vou dizer algo.

— Diga.

— Agora que começou!
 


31 de agosto, 2012
Ano 16 - N° 802