Ano 21 - Semana 1.065

 

 
   
ARQUIVO

 

 


CREMERJ
Praia de Botafogo, 228 Botafogo - CEP: 22359900 Telefone: (21)
2559-0018, 2559-3899
E-mail:
www.cremerj.com.br/
 


CRO-RJ
R. Araújo Porto Alegre 70, 4º e 5 andar
Castelo - CEP: 20030015
Tel: (21) 2533-7173
www.cro-rj.org.br
 

 

 

 

Se você é da área médica e quer publicar algum artigo, venha fazer parte da nossa equipe.


class=



15 de fevereiro, 2018

 

Obesidade predispõe ao glaucoma


Biomarcadores nos exames de sangue e fundo de olho previnem riscos



Leôncio Queiroz Neto


Mais da metade dos brasileiros, 53,8%, está acima do peso e 30 milhões são obesos de acordo com uma pesquisa divulgada pelo Ministério da Saúde. O sobrepeso e a obesidade podem prejudicar a visão. Isso porque predispõem ao glaucoma, que é apontado como a maior causa de cegueira irreversível pela Organização Mundial da Saúde (OMS). A doença atinge mais de 2 milhões de pessoas no Brasil e cerca de 60 milhões no mundo. Em 90% dos casos é caracterizada pelo aumento da pressão intraocular. O tratamento é feito com uso contínuo de colírio para evitar a escavação do nervo óptico e perda definitiva do campo visual.





Em outros 10%, a pressão se mantém normal, até 21,5 mmHg, mas alterações metabólicas provocam os mesmos danos à visão que a pressão intraocular alta. Por isso, no glaucoma de pressão normal as terapias variam conforme as alterações sistêmicas que possam estar colocando a visão em risco, como por exemplo a hipertensão arterial, diabetes, apneia do sono, neurite óptica, esclerose múltipla ou qualquer outro problema sistêmico que possa provocar glaucoma. A obesidade pode induzir a muitas dessas doenças sistêmicas e é por isso que predispõe ao glaucoma.

O maior desafio do glaucoma é o diagnóstico precoce. Prova disso é que mais da metade dos brasileiros só descobre a doença em estágio avançado, já que ela rouba a visão sem apresentar sintomas. Levantamento feito com 814 pessoas mostra que 47% acreditam que qualquer alteração na visão pode ser percebida logo no início. Na verdade, a maioria das doenças oculares não são percebidas logo que aparecem.
 

Biomarcador plasmático

A boa notícia é que pesquisadores acabam de identificar biomarcadores que podem sinalizar a iminência do glaucoma antes da doença aparecer. Um desses biomarcadores está no plasma. Uma metanálise de 13 estudos mostra que o exame de sangue dos portadores de glaucoma contém maior concentração no plasma de endotelina 1 que o do grupo sadio de controle. A endotelina 1 é um peptídeo que responde pelo estreitamento dos vasos. Por isso, quando o exame de sangue revela maior concentração desta substância pode indicar risco de hipertensão arterial, diabetes e glaucoma antes dessas doenças aparecerem. Significa que o glaucoma pode ser prevenido por exames de sangue periódicos que meçam a endotelina 1 nos grupos de risco: maiores de 40 anos, obesos, negros e quem têm familiares com glaucoma.


Na retina

Outro grupo de pesquisadores descobriu uma camada de células da retina que sofrem alterações antes dos primeiros sinais de glaucoma. Por isso, os grupos de risco devem fazer anualmente uma Tomografia de Coerência Óptica  (OCT) que examina todas as camadas de células da retina. Isso porque as células do fundo do olho são irrecuperáveis.


Alternativas de tratamento

Para manter a pressão intraocular sob controle, outras alternativas de tratamento são a aplicação de laser, que pode reduzir a pressão intraocular, embora nem todos deixem de usar colírio. O mais novo tratamento para glaucoma é um dispositivo que pode ser implantado na malha trabecular durante a cirurgia de catarata. O implante reduz a pressão intraocular, desviando o humor aquoso para um canal do globo ocular. Só pode ser colocado em quem tem glaucoma inicial ou moderado, mas a maioria das pessoas fica livre do uso de colírios.

 

 



Direção e Editoria
IRENE SERRA
irene@riototal.com.br