Ano 11 - Semana 566

 

Espartame

Nesta última semana, no-vos temores surgiram a respeito do ASPARTAME, aquele adoçante artificial que  é encontrado em cer-ca de 6.000 tipos de ali-mentos, bebidas e medi-camentos largamente en-contrados em farmácias e supermercados.

Roger Williams, membro de um seleto comitê rela-cionado com alimentos e meio ambiente no parla-mento inglês, afirmou que todos os itens que contêm aspartame deveriam ser banidos do mercado devi-do às evidências que rela-cionam esta substancia ao aparecimento de tipos de câncer.
Seus comentários surgi-ram após a publicação da pesquisa realizada pela European Ramazzini Foundation, da Italia, a respeito do aparecimento de câncer em ratos. Se-gundo ele, 'existem fortes evidências científicas de que os produtos finais do aspartame no organismo podem causar severos efeitos tóxicos aos sêres humanos'.

Além dos conhecidos efei-tos do aspartame (dores de cabeça, ataques de pâ-nico, alterações de humor, alucinações, tonteiras e hiperatividade em crian-ças), a ligação com tumo-res coloca o produto numa posição delicada para uso indiscriminado.

Além de tudo isso, Erik Millstone, professor da Universidade de Sussex, afirmou: 'Existem suficien-tes motivos para banirmos o uso do aspartame prin-cipalmente por haver sérios problemas envol-vendo sua aprovação oficial'.

Não nos custa ficar aten-tos e, até maiores escla-recimentos, evitar seu uso.

(Sérgio Vaisman)

 


 

 

    21 de janeiro, 2006
 

Colesterol

Ele tem um papel importante no organismo e é, assim como as gorduras, indispensável à vida. Mas o estilo de vida moderno – sobretudo a dieta –  transformaram-no em inimigo.


Há vários fatores que podem afetar os níveis de colesterol no sangue. Em geral, homens têm taxas mais altas que mulheres, e a tendência é que o nível aumente com a idade. Estar acima do peso normal não significa automaticamente altos níveis de colesterol, mas está comprovado que emagrecer ajuda a manter a taxa em equilíbrio. Praticar atividades físicas regularmente também contribui, enquanto o fumo e o álcool proporcionam o efeito contrário.

Má fama desde cedo

Colesterol é um lipídio, uma substância gordurosa que só existe nos animais (é por isso que a margarina não tem colesterol, enquanto a manteiga, sim). Seu nome vem do grego e significa “cálculo biliar”, porque é o principal componente das “pedras” na vesícula. Como se vê, desde cedo o colesterol já tinha má fama... Mas é uma fama injusta. O colesterol participa da produção no organismo de hormônios (como os estrogênios e a progesterona), da bílis (essencial para a digestão das gorduras) e da vitamina D (que colabora na absorção e controle do cálcio no corpo). É tão importante que o próprio corpo se encarrega de produzir a maior parte. Setenta por cento do colesterol presente no organismo é sintetizado no fígado, a partir dos alimentos que ingerimos; os outros 30% vêm diretamente da dieta.

Como as substâncias gordurosas não são solúveis em meios aquosos, o colesterol não consegue, por si só, se deslocar no sangue, que é o seu meio de transporte entre os tecidos. Por isso, ele é “encapado” por proteínas. Essa estrutura é chamada lipoproteína. Há lipoproteínas de vários tipos, classificados conforme sua densidade, que executam diferentes funções no organismo.


O mocinho e o bandido

Já se sabe que o enfarte é causado pela obstrução das artérias coronárias. Quem obstrui os vasos é uma placa gordurosa, chamada ateroma. E o conteúdo do ateroma é, em boa parte, colesterol. Mas não qualquer colesterol. É aquele transportado em lipoproteínas do tipo LDL (low density lipoprotein, ou “lipoproteína de baixa densidade”). Por isso, esse é conhecido como “mau colesterol”.

Inversamente, os cientistas descobriram que outra lipoproteína com colesterol, a HDL (H de high, “alta”), remove o colesterol dos tecidos, levando-o de volta para o fígado. Assim, essa molécula virou o “mocinho” da história e ganhou o título de “bom colesterol”.

Para resumir, nem toda forma de colesterol é ruim. Ao contrário, como se viu, esse lipídio é essencial para a vida. Mas é preciso controlar que tipo de lipídio estamos ingerindo. Uma dieta desequilibrada, somada a outros fatores, aumenta o risco de doenças circulatórias, como a arteriosclerose, e de acidentes graves, como o enfarte e o derrame. E dieta equilibrada, como se vê, não significa necessariamente um trauma: é só mudar alguns ingredientes do prato da esquerda ou partir direto para o da direita. Como recompensa extra para quem se preocupa com a estética, o teor calórico desta última refeição também é menor.

Era uma vez a gordura, uma substância essencial à vida, que alimentava, iluminava (lamparinas à base de óleo) e limpava (os sabões são feitos a partir da gordura animal) os homens, entre outras coisas. Então, o homem inventou a luz elétrica, o detergente em pó (que é sintético), o fast food e o regime para emagrecer. E a gordura virou uma das substâncias mais detestadas pelo homem...

Acontece que os lipídios são as formas mais importantes de armazenamento de energia no organismo. Eles também estão presentes nas membranas de revestimento de todas as células do organismo, aumentam a velocidade dos impulsos nervosos e lubrificam a pele e os pêlos. Isso, sem falar em funções específicas do colesterol e dos triglicérides, descritas no texto desta reportagem. E tudo isso só é possível a partir da ingestão de lipídios pelas pessoas. Na verdade, a vida não existiria sem gordura...

COMIDA GORDUROSA
ALIMENTO GORDURA (%)
Toucinho 60–80
Amêndoas, nozes,
avelãs, pistaches
50–60
Amendoins ± 40
Natas 40
Chocolate 25–40
Queijo parmesão 20–35
Gema de ovo 30
Carne de porco 25–30
Carne de boi 20–25
Aves 15–20
Biscoitos 10
Sardinhas 10
Frutas e legumes 1–2



Colesterol não é “gordura”

A molécula “clássica” de lipídio é formada por longas cadeias de átomos de carbono, ligados a átomos de hidrogênio. Essas cadeias são chamadas de ácidos graxos, e são eles as principais características das gorduras. Embora o colesterol seja um lipídio, sua molécula não tem ácidos graxos. Por isso, os especialistas não tratam o colesterol como uma “gordura”.

As cadeias de ácidos graxos podem ter diferenças importantes. Quando as ligações entre os carbonos são simples, a cadeia é chamada de saturada. Quando alguns carbonos da cadeia duplicam sua ligação, de modo a dispensar um dos átomos de hidrogênio que os acompanham, a cadeia é insaturada.


Saturadas x insaturadas

Essa aula de Química ajuda a entender os diferentes tipos de gorduras que conhecemos. Os alimentos gordurosos possuem os três tipos de ácidos graxos, mas em proporções diferentes. Quando o produto é formado, em sua maioria, por cadeias saturadas de ácidos graxos, sua aparência geralmente é sólida e tende à cor branca. Exemplos: banha e manteiga (mas os óleos de coco, palma e dendê também são formados predominantemente por gorduras saturadas). Gorduras insaturadas já são líquidas, como os óleos de soja, milho, oliva, etc. A margarina é uma gordura vegetal cremosa porque o fabricante adiciona hidrogênio aos ácidos graxos do óleo de origem, saturando parte das moléculas.

Do ponto de vista da saúde, as gorduras saturadas estão classificadas na mesma lista negra do colesterol e dos triglicérides. Elas contribuem para o aumento do colesterol no sangue.


Os triglicérides

Chega o exame do laboratório e o médico diagnostica: “Você está com uma taxa de triglicérides muito alta”. Mais um palavrão para incomodar sua vida. E incomoda, mesmo. Embora não se saiba bem como isso acontece, o fato é que a incidência de arteriosclerose também está ligada ao aumento dos triglicerídeos.

Triglicérides ou triglicerídeos são gorduras que atuam sobretudo na reserva de energia do organismo. Podem ser encontrados em células específicas para esse fim, que se localizam sobretudo na pele, na cavidade abdominal e nas glândulas mamárias. A maioria das gorduras naturais que ingerimos, da manteiga ao óleo de soja, é uma mistura complexa de triglicérides. Repare que, ao contrário do colesterol, também há triglicérides nas gorduras vegetais.


Você pode ter aterosclerose?

Segundo o National Cholesterol Education Program, dos EUA, estes são os principais fatores de risco para o desenvolvimento da arteriosclerose:

  • homens com mais de 45 anos
  • mulheres acima de 55 anos ou com menopausa prematura sem terapia estrogênica

  • taxa de colesterol HDL menor que 35mg/dl (miligramas por decilitro de sangue)
  • história familiar de doença arterial coronariana
  • fumo
  • hipertensão
  • diabetes

E fique atento: se sua taxa de colesterol total ultrapassar 250mg/dl ou a de triglicérides passar dos 200mg/dl, você estará dentro da faixa de risco.


C
uidado com o que você come

Para reduzir as complicações cardiovasculares, a American Heart Association listou algumas condições. Entre essas condições estão algumas limitações importantes:

  • quantidade de gordura ingerida diariamente: não deve passar de 30% do total de calorias;
  • gordura saturada: no máximo 10% das calorias totais;
  • colesterol: 300 mg diários.

Como é difícil medir a quantidade de gorduras ou colesterol que estamos ingerindo, essas recomendações podem ser traduzidas nos seguintes conselhos:

  • Escolha alimentos livres de gordura ou com baixo conteúdo. Prefira as carnes magras, caso você não seja vegetariano.

  • Retire a gordura da carne antes de cozinhá-la.

  • Evite os embutidos: são grandes fontes de gordura saturada.

  • Adicione menos óleo em seus alimentos. Ou melhor, substitua as frituras por grelhados.

  • Reduza o consumo de sal (a AHA estabelece o limite de cinco gramas por dia).

  • Utilize menos manteiga ou margarina (não sendo possível, prefira esta à manteiga).

  • Prefira leites e iogurtes desnatados.

  • Inclua mais fibras em sua dieta (aveia, mamão, pêssego, maçã, cereais integrais, farelo de trigo, vegetais folhosos, grãos e frutas). Isso leva à diminuição do consumo de colesterol.

  • Especificamente para controlar o colesterol, não consuma mais do que três ovos por semana. O ovo é um alimento muito rico em nutrientes, mas só a gema contém cerca de 70% da ingestão diária necessária de colesterol (veja a tabela abaixo).

QUANTO TEM NA COMIDA?
ALIMENTO COLESTEROL (mg/100g)
Gema de ovo 1.500
Caranguejo 565
Ovo 463
Fígado 320
Carne gorda 289
Manteiga 250
Banha 243
Sardinha 220
Queijo provolone 194
Queijo parmesão 193
Rosbife 164
Camarão 163
Queijo suíço 145
Queijo prato 140
Queijo cavalo 140
Mussarela 140
Lingüiça 123
Carne magra 123
Presunto 105
Queijo minas 100
Frango 98
Lombo porco 98
Quibe 80
Peixe frito 70
Salmão 69
Mortadela 60
Salsicha 59
Maionese 50
Brigadeiro 39
Bacon 39



Fonte: Revista da Folha

 



    Direção
    IRENE SERRA
     irene@riototal.com.br