ARQUIVO

 



Má Oclusão Dentária
Um conjunto de alterações presentes no sistema mas tigatório, chamado disfun-ção temporomandibular (DTM), pode ser a origem de 60% das dores de cabeça e dores oro-faciais.
“A DTM se caracteriza por muitos sinais e sintomas, nem sempre presentes simultaneamente em to-dos os pacientes, o principal deles é a dor. Dificuldades para abrir e/ou fechar a boca e mastigatórias; mordedu-ras de lábio, bochecha e língua; “bruxismo”; além de ruídos (estalos, crepi-tados, dentre outros) nas articulações temporoman-dibulares (ATM) próximas das orelhas, também podem se manifestar”, destaca Marcos Nadler Gribel, cirurgião-dentista.

 


 

 

       25 de junho, 2005
 

Da Importância dos Colírios

Renzo Sansoni


Instilar colírio nos olhos CORRETAMENTE é um grande passo para o tratamento oftalmológico. Temos observado inúmeros insucessos na cura das doenças oculares, provocados pelo uso incorreto e inadequado de colírios.  Quando você ou um parente precisar de usar colírio siga as orientações abaixo:

  • Verificar a data de validade, sempre.

  • Manter o frasco do colírio em lugar fresco e longe de crianças.

  • Verificar se o nome do colírio é o que está escrito na receita.

  • Só usar colírio com receita médica.

  • Pedir a alguém responsável para instilar colírio em você.

  • Lavar sempre as mãos, antes de instilar o colírio.

  • Agitar bem o  frasco do colírio, antes de usar.

  • 0 paciente deve estar, preferencialmente, deitado na hora da instilação.

  • Instilar 1 gota de cada vez, na região central do olho.

  • Instilar 2 ou 3 gotas de uma  só vez  não ajuda em nada; significa  desperdício  de  colírio.

  • Fechar bem o frasco do colírio após o uso.

  • Não usar colírio guardado (frasco aberto) há muito tempo.

  • Não aceitar e/ou comprar colírio sem exame oftalmológico.

  • Todo colírio que contenha cortisona é potencialmente perigoso.

  • Não encostar o frasco do colírio no olho de pessoas com conjuntivite, sob o risco de contaminar o colírio.

  • Os colírios cicloplégicos podem causar febre e alucinações em crianças.

  • É muito perigoso dirigir veículos após instilação de colírios que  dilatem as pupilas.

  • Nem todo  “olho vermelho” é conjuntivite. Portanto, não usar colírio sem o correto diagnóstico do problema ocular.

  • Alguns colírios, usados no tratamento do glaucoma, devem ser usados com cautela em pessoas hipertensas (pressão alta) e asmáticas.

  • Conjuntivites e ceratites por vírus podem complicar com uso inadequado de colírio contendo cortisona.

  • O uso prolongado de colírio contendo antibiótico e cortisona, sem supervisão médica, pode induzir doenças oculares graves.

  • É sempre bom ler a bula para maiores detalhes.


LEMBRAR SEMPRE QUE COLÍRIO É  MEDICAMENTO E QUE, PORTANTO, TODO CUIDADO E ATENÇÃO DEVEM SER TOMADOS AO UTILIZÁ-LO.

SEJA  O MELHOR  AMIGO DE SEUS  OLHOS:
PROCURE O SEU OFTALMOLOGISTA.
 


Renzo Sansoni é médico oftalmologista,
Uberlândia/MG

 


 

Direção
    IRENE SERRA
     irene@riototal.com.br