Ano 9 - Semana 446


 
   
ARQUIVO




Se você é da área médica e quer publicar algum artigo, venha fazer parte da nossa equipe.

 

 


 

 

 

    16 de outubro, 2005
 

Especialista brasileiro desenvolve técnica especial
para correção da Doença de Peyronie


Nova técnica não reduz o tamanho do pênis afetado pela doença, já que utiliza um enxerto de membrana, que se assemelha ao do órgão, no lado mais curto do pênis.


A doença de Peyronie, que pode acometer até 6% dos homens durante a vida, é caracterizada por uma curvatura do pênis durante a ereção e pode atingir até 90 graus tanto para cima, como para baixo ou para o lado. Isto ocorre porque uma membrana (túnica) com menor elasticidade do que o normal provoca o repuxamento do pênis. O problema, que pode estar associado à dor durante as ereções e dificultar ou até impossibilitar o ato sexual, é decorrente de traumas durante a relação ou problemas de ereção, que predispõem à dobra do pênis durante o ato, aumentando as chances de novos pequenos traumas (microtraumas).

As técnicas cirúrgicas empregadas até recentemente levavam à diminuição do pênis, pois retirava parte da membrana do lado longo do genital até igualá-lo à curta, o que provocava grande insatisfação por parte do paciente. Entretanto, a técnica desenvolvida pelo médico Paulo Henrique Egydio, urologista do Hospital São Luiz, possibilita devolver ao paciente o tamanho que o pênis tinha antes da doença, pois supera a curvatura do genital, alongando o lado curto até atingir o comprimento do lado longo.

“Esta técnica consiste em se fazer um corte na membrana, cuja forma muda a cada paciente, a fim de eliminar o repuxamento peniano. Como a doença de Peyronie deixa a membrana (túnica) menor do que deveria ser, quando o pênis é posto reto, fica faltando um pedaço da membrana, o que é corrigido com a colocação de um enxerto que permite que esta membrana cresça novamente. Este enxerto é feito com uma membrana já pronta retirada do envoltório do coração bovino, chamada de pericárdio, utilizada há mais de 20 anos em cirurgias do coração. Esta membrana não provoca rejeição por ser previamente tratada e tornada inerte ao organismo humano, e assim evita-se a necessidade de uma nova cirurgia para retirada do enxerto do próprio paciente”, explica o especialista.

O paciente operado por meio desta técnica retoma a atividade sexual seis semanas após a cirurgia. Tanto a sensibilidade como a ereção do pênis são preservadas após a correção da curvatura.

Dr. Paulo Henrique ressalta que o fator psicológico é de grande relevância nos pacientes que sofrem com deformidades penianas. “Problemas de constituição ou malformações genitais alteram profundamente as vivências emocionais básicas no homem, como sua auto-estima e o ato sexual propriamente dito. A vergonha do próprio corpo e a impossibilidade de vivenciar normalmente estes sentimentos e sensações podem levar o indivíduo a uma ansiedade crônica, geradora de grande estresse, afetando áreas que não estão diretamente ligadas à sexualidade, atrapalhando o indivíduo no trabalho, em relacionamentos sociais e até na superação de pequenos problemas do cotidiano. Intervenções cirúrgica e psicológica são muito importantes para que o paciente recupere sua auto-estima”, afirma o urologista.


Indicações para a cirurgia


A cirurgia de Peyronie é indicada em casos em que a deformidade peniana está estacionada há, no mínimo, seis meses. Ou seja, sem piora ou melhora e desde que a doença tenha se iniciado há pelo menos um ano. Este procedimento também é aplicado nos casos em que a deformidade dificulte ou impossibilite a penetração, ou ainda favoreça “escapar” da vagina com facilidade ao menor movimento durante o ato sexual. “Esta técnica pode ser empregada a partir dos 13 anos, quando clinicamente for detectada uma deformação que necessite correção e, de preferência, quando já se encerrou o período de crescimento do pênis”, explica Dr. Paulo Egydio.


Principais vantagens desta técnica

- O procedimento é simples e com desconforto mínimo.

- Recuperação rápida. O paciente interna-se pela manhã, é operado no mesmo dia, e recebe alta no máximo até o dia seguinte, podendo até viajar em seguida à alta O paciente pode ainda ser operado no final de semana e voltar a trabalhar na segunda-feira, mantendo assim sigilo no trabalho e/ou escola.

- Não diminui o tamanho do pênis como nas cirurgias convencionais.

- A cicatriz é discreta e semelhante à da cirurgia de fimose. Utiliza-se fio transparente e absorvível para fechamento, com sutura semelhante a da cirurgia plástica, não havendo necessidade de retirar os pontos.

- Não é utilizada prótese peniana (apenas em último caso, quando o paciente não consegue ter ou manter ereção suficiente para penetração).


Curvatura peniana no jovem

Esta mesma técnica cirúrgica também é aplicada para o tratamento de curvatura peniana em jovens, que ocorre devido a uma menor elasticidade dos tecidos sobre a túnica ou menor elasticidade da própria túnica, causadas por problemas durante sua formação.

 


 


    Direção
    IRENE SERRA
     irene@riototal.com.br