Ano 11 - Semana 566


Cálcio
De acordo com o presi-dente da ABRAN, para evi-tar e prevenir osteoporo-se, osteomalácia e raqui-tismo, o consumo de alimentos ricos em cálcio, como peixes, espinafre, agrião, brócolis, couve e outros vegetais de folha-gem verde escura é fundamental.


 

 

   02 de fevereiro, 2008
 

Fibromialgia
Uma forma muito comum de reumatismo

Eduardo Sadigurschi

De tempo em tempo todos nós experimentamos a sensação de sentir dor. Pode ser causada por gripe, excesso de esforços, má postura, estar cansado ou simplesmente por uma série de outras razões. Quando a dor, o desconforto, a queimação e a rigidez articular se tornam constantes, provavelmente há uma causa médica a ser diagnosticada e tratada. Muitas formas de artrite e de doenças reumáticas podem causar dor, inchação e rigidez. Entre elas devemos considerar a Fibromialgia, também chamada de reumatismo muscular, reumatismo não articular e fibromiosite. Embora seja uma condição muito comum, principalmente em mulheres, é de difícil diagnóstico pela falta de elementos ao exame laboratorial, sendo ele, portanto, feito numa clínica.

A fibromialgia causa rigidez e dor nos ligamentos, tendões e músculos, podendo levar períodos curtos, e mesmo, meses e anos, como também pode ocorrer de forma intermitente. Para complicar mais ainda, afeta a cada pessoa de forma diferente e precisa ser estudada e tratada de forma absolutamente individual.


Os primeiros sintomas são a dor, o desconforto, o peso em torno das articulações, músculos, tendões e ligamentos. A dor ocorre geralmente nas costas (coluna lombar), pescoço e/ou nos ombros, na parte lateral do tórax, assim como nos cotovelos e quadris.

A fibromialgia não causa invalidez, entretanto a dor crônica pode incapacitar de certa forma. As pessoas ficam muito ansiosas e deprimidas pela dor, porém a ansiedade e a depressão podem ser, também, um dos fatores que desencadeiam uma crise de fibromialgia. É preciso cortar esta seqüência de dor-depressão, depressão-dor. Isto é possível. Há várias formas de se tratar esta doença, sempre de forma individualizada, procurando-se ter um entendimento global do paciente, isto é, da pessoa com todas as suas necessidades e dificuldades, procurando entender suas carências momentâneas, enfim, entendendo a sua alma.


Com este entendimento, com um programa de tratamento que inclua medidas medicamentosas e medidas fisioterápicas, há grandes chances de se obter sucesso na melhora do paciente.

É importante se ter em mente que o homem não nasceu para sofrer, você tem o direito de viver bem, feliz e sem dor.  
 

Colaboração do Dr. Eduardo Sadigurschi
Centro de Reumatologia e Ortopedia Botafogo
 

 


Direção e Editoria - Irene Serra