Ano 10 - Semana 499
 


Vitaminas e minerais-quem necessita?

Nos países industrializa-dos, nunca antes se viu tantas ofertas de alimen-tos frescos e saudáveis, entretanto, apesar disso, as doenças degenerativas relacionadas à falta de nutrientes fundamentais continuam aumentando celeremente.

Obesidade, diabetes e doenças cárdio-vasculares fazem parte direta das conseqüências desses há-bitos alimentares moder-nos que implicam no uso cada vez mais freqüente de alimentos processados. Refeições rápidas em cantinas e bares, lancho-netes “fast-food”, lojas de conveniência e os produ-tos embalados com con-servantes químicos fazem parte desses hábitos que vão se tornando cada vez mais freqüentes.

Produtos altamente refi-nados tais como os farináceos, doces e tudo o que contém açúcar branco não possuem nutrientes essenciais tais como vita-minas e minerais.

É fundamental que se faça uma programação de dis-ciplina alimentar para que se possa prevenir doenças que, após instaladas, não propiciam caminhos de volta.

(Sergio Vaisman)




 


 

     21 de outubro, 2006
 

Dra. Elizabeth Vilhena

Orientações Nutricionais para Nadadores


Na modalidade Natação, há um grande número de crianças e adolescentes em treinamento, principalmente na faixa etária entre 8 e 18 anos. Isto porque a atividade física tem sido recomendada como fator de prevenção de patologias, manutenção de qualidade de vida e até controle de peso corporal, pelo aspecto estético ou tratamento de obesidade. Este fato merece a atenção de todos os profissionais da área esportiva, bem como da área médica, nutricionistas, fisioterapeutas, psicólogos, etc...., pois associados à freqüência e ao volume da atividade física de cada pessoa, está a condição física e mental de cada um, e ainda, o estado nutricional em esforço.

É importante para uma avaliação das necessidades nutricionais do atleta levarmos em consideração a alta intensidade dos treinos, periodização de cargas, calendário das competições e sua auto-estima.

Com estes dados já podemos entender a preocupação dos profissionais em relação à alimentação dos atletas. Carboidratos, proteínas e hidratação na recuperação muscular e sua condição de retorno dos treinos.

Por outro lado, associado aos treinos intensos, temos atletas em situação escolar com uma grande exigência no cumprimento de suas tarefas escolares e seu horário de aula.

O fracionamento das refeições (de 6 a 8 p/dia) e a consistência das mesmas fazem parte de uma das recomendações.
 

A COMPOSIÇÃO NUTRICIONAL

De acordo com as necessidades calóricas e fases de treinamento, a distribuição dos macro nutrientes deve respeitar o aspecto do crescimento, desenvolvimento e esforço muscular. Portanto, a distribuição de carboidrato nas refeições pré e pós treinamento, a quantidade de proteínas por kg de peso e os níveis lipídicos das refeições devem estar harmonicamente distribuídos nas refeições do dia. Ciente que os carboidratos como fonte importante de energia de treino, manutenção de crescimento e desenvolvimento e ainda necessidades intelectuais, este não deve ser inferior a 65% do total calórico, inclusive dependendo da intensidade do treino, este percentual pode chegar a 80% ( acima dos 75% do Vo2 máximo.)

Para as proteínas sugerimos que o melhor é atender às necessidades individuais utilizando as quantidades em gramas por kg de peso, podendo favorecer o crescimento muscular, promovido pelo balanço nitrogênico positivo e ainda recuperar fibras musculares.

Nosso grande desafio é estabelecer exatamente a quantidade necessária de gorduras das dietas, distribuí-la de forma a não interferir negativamente na digestão e absorção dos carboidratos e educar estes jovens sobre o limite e a necessidade para seu melhor desempenho.

As recomendações em relação aos micronutrientes nos levam a uma atenção especial às vitaminas do complexo B. Em situações de vulnerabilidade, como treinos intensos, em climas muito quente ou frio, reforçamos o consumo de vitamina C.

Sabemos das dificuldades educacionais de se seguir na íntegra as recomendações que julgamos serem mais adequadas, mas temos encontrado cada vez maior preocupação por parte dos pais e técnicos em relação à Nutrição e sua contribuição na performance do atleta, na sua dura tarefa de se alimentar corretamente.
 

O QUE PODE CONTRIBUIR PARA A SÍNTESE PROTÉICA E A IMPORTÂNCIA DOS AMINOÁCIDOS RAMIFICADOS

Trabalho de aumento da "força muscular".

Alimentação fracionada rica em carboidratos complexos, para que a utilização da proteína seja evitada e os glicídios possam fornecer energia à síntese protéica.

A suplementação com aminoácidos ramificados antes da atividade física diminui o catabolismo proteico, pois dirigem-se imediatamente aos músculos após sua absorção, aumentam a síntese de glutamina que é fundamental no processo de imunidade.

Os BCAA precisam estar na corrente sangüínea, para irrigar o músculo e cérebro em vantagem do triptofano pois este último compete com os aminos ramificados provocando no atleta fadiga, pois induzem a liberação do neurotransmissor serotonina que provoca o sono.

Os aminos BCAA são absorvidos pelo músculo diretamente, não passando pelo fígado e para o esportista auxiliam na manutenção do glicogênio muscular, por um período mais longo, evitando a fadiga e diminuindo a produção de ácido lático no músculo.

 


Colaboração da Dra. Elizabeth Vilhena,
Nutricionista
evilhena@openlink.com.br

 


 


    Direção
    IRENE SERRA
     irene@riototal.com.br