Ano 9 - Semana 476
 

12 de maio
Dia Mundial da Fibromialgia

 


 

   13 de maio, 2006
 

Fibromialgia


Evelin Goldenberg


Mais comum nas mulheres, cerca de 80% a 90% dos pacientes, entre 35 e 60 anos, a fibromialgia é de difícil diagnóstico e é caracterizada por uma dor generalizada pelo corpo em um período de pelo menos três meses, que pode ser acompanhada por sintomas como fadiga inexplicável, irritabilidade, depressão, sensação de formigamento nos braços e pernas, sono que não relaxa, entre outros.

A fibromialgia interfere diretamente na rotina e na qualidade de vida dos pacientes. Dentre os sintomas diagnosticados aproximadamente 90% apresentam quadro de fadiga, cefaléia representa entre 44% e 56% e distúrbios do sono manifestam-se entre 56% a 86% dos casos. Segundo a autora do livro “O Coração Sente, O Corpo Dói” Dra. Evelin Goldenberg, mestre e doutora em reumatologia pela Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP) – Escola Paulista de Medicina, para diagnosticar a fibromialgia, sem dúvida, o paciente deve ser submetido a um exame clínico detalhado, que inclui inventário físico, psicológico e social, desde a infância.

“Normalmente, as pessoas se consultam com vários médicos, fazem diversos exames, que não esclarecem as suas queixas. Também tomam inúmeros remédios e por fim acabam desacreditadas pela família porque, mesmo com toda essa busca pela melhora, as dores não diminuem e a fadiga aumenta. Isso afeta sua auto-estima e o paciente passa a se questionar, achando que está louco”, destaca a médica. Ela acrescenta que na maioria dos casos a fibromialgia não tem cura, mas pode ser controlada e, com o acompanhamento médico, permite a retomada da qualidade de vida do paciente, independente da idade.

Tratamentos Indicados
Existem dois tipos de tratamentos importantes: O Medicamentoso e o Não Medicamentoso.

Para os paciente fibromiálgicos são indicados exercícios físicos monitorados, RPG, Pilates, acupuntura, entre outros, sempre sob supervisão médica, para não haver riscos que piorem a dor.

Além disso, existem drogas que estão sendo utilizadas e estudadas, como o Pregabalina (combate às dores nos nervos) e a Duloxetina (estimula o aumento de serotonina e noradrenalina reduzindo a sensação de dor independente do quadro emocional da paciente), com excelentes resultados no tratamento de dores crônicas.

Após observar a dificuldade que os pacientes e os familiares têm em descobrir, tratar e prevenir a fibromialgia, a Dra. Evelin Goldenberg lançou o livro “O Coração Sente, O Corpo Dói” que aborda o tema.

A obra, que já está na 3ª edição, é baseada em estudos da reumatologista e acompanhamento de portadores da doença. Em 20 capítulos, a autora mostra como a história de vida e o estresse do dia-a-dia contribuem para o aparecimento, a manutenção e o agravamento das dores, além de dar dicas de tratamentos que auxiliam no controle da dor como acupuntura, psicoterapia e exercícios físicos monitorados.

Relatos de pacientes, mitos e verdades sobre a doença e os principais medicamentos utilizados no tratamento também estão presente na obra, que traz ainda um teste prático para reconhecimento de possíveis sintomas da fibromialgia.

“A proposta do livro é explicar de uma maneira simples e objetiva o que é a fibromialgia, como ela atinge de forma direta ou não milhões de pessoas e quais são os tratamentos mais eficazes no combate à síndrome. Agradeço a todas as pessoas que contribuíram com este trabalho e espero que ele ajude no esclarecimento da síndrome”, afirma Evelin Goldenberg.

 

Evelin Goldenberg é mestre e doutora em reumatologia pela Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP) – Escola Paulista de Medicina. É coordenadora do curso de pós-graduação em reumatologia, com ênfase ocupacional do Hospital Albert Einstein, São Paulo,
e professora colaboradora da disciplina de Clínica Médica da Unifesp-EPM.



 


 

 

    Direção
    IRENE SERRA
     irene@riototal.com.br