Ano 9 - Semana 467
 

Vitamina D
Novos achados indicam que a vitamina D pode facilitar a obtenção de uma respiração mais fácil. Pessoas com níveis elevados de vitamina D no organismo apresentaram melhores funções pulmo-nares.

Para os estudos, foram colhidos dados de 14000 pessoas durante um período de 6 anos. Aqueles indivíduos com maiores taxas da vitamina apresentaram capacidade maior de inspiração e expiração. As mesmas pesquisas demonstraram que os homens apre-sentam mais vitamina D do que as mulheres em seus tecidos orgânicos. Os níveis desta vitamina ten-dem a diminuir à medida que se envelhece e se aumenta de peso.

A vitamina D pode ser encontrada em alguns alimentos, assim como em suplementos alimen-tares, mas a maioria das pessoas a obtém a partir da luz solar. A exata correlação entre vitamina D e função pulmonar ainda não é bem clara para os cientistas. Outros estudos concluíram tam-bém que esta vitamina realmente é eficaz no fortalecimento ósseo, au-xilia na prevenção de alguns tipos de câncer e ajuda a proteger contra a esclerose múltipla.

(fonte: revista Chest, de-zembro de 2005 - Enviado por Sérgio Vaisman)

 



 

      11 de março, 2006
 

Obesidade

Obesidade é doença, não existe gordo saudável
 

A obesidade é reconhecida pela Organização Mundial de Saúde como doença grave, que atinge proporções epidêmicas no mundo, e é fator de risco para doenças cardiovasculares, hipertensão, colesterol elevado e diabetes. Até mesmo graus leves de sobrepeso podem levar indivíduos a desenvolver doenças. Estima-se que, no Brasil, cerca de 40% da população está acima do peso ou é obesa.

O clínico geral Abrão José Cury Jr, presidente da Regional da Sociedade Brasileira de Clínica Médica, médico assistente da Universidade Federal de São Paulo e cardiologista do Hospital do Coração, explica que a obesidade é a principal causa de diabetes e triplica as chances de desenvolver a doença. Pessoas não diabéticas, mas com antecedentes familiares, podem prevenir, ou retardar seu aparecimento, perdendo peso. Quando a doença já está estabelecida, emagrecer pode reduzir a necessidade de medicação.

Também é importante fator de risco para hipertensão, estima-se que a obesidade seja responsável por um terço dos casos. O risco de ser hipertenso aumenta 50% em pessoas com sobrepeso. Perder dez quilos reduz em 26% o risco de ter pressão alta. Para o sucesso do tratamento, o hipertenso deve chegar ao peso ideal.

A obesidade é ainda fator de risco para dislipidemia, aumentando colesterol, triglicérides e reduzindo a fração boa do colesterol. Mais uma vez, a redução de peso reduz o nível de gordura no sangue e o risco cardiovascular.

Outras doenças também estão associadas à obesidade, como algumas formas de câncer, doenças respiratórias, cálculo biliar e doenças ósteo-articulares. Existe ainda o aspecto psicológico, relacionado à estigmatização do obeso, o que leva a quadros depressivos, diminuição da auto estima e do relacionamento social.

“Mesmo que o paciente procure o médico por outros problemas, se for obeso, o profissional da saúde deve dar atenção a este aspecto de sua saúde e orientá-lo quanto à importância de perder peso e como fazer isso”, alerta o médico.
 

 


 


 

Direção e Editoria - Irene Serra