Ano 16 - Semana 803



Barulho do ronco pode provocar hipertensão

Um estudo conduzido por um time de cientistas internacionais sugere que dormir ao lado de quem ronca pode ser prejudicial à saúde.
Os pesquisadores expli-caram que a exposição a barulhos durante a noite, desde roncos a ruídos de aviões e carros pode au-mentar a pressão arterial e causar hipertensão, mesmo que a pessoa esteja dormindo.

 


 

 

  07 de setembro, 2012
 

Gripe ou Resfriado?

Não confunda, a gripe pode até matar


A gripe e o resfriado são infecções respiratórias causadas por vírus, e possuem algumas semelhanças. No entanto, contrariando o que muita gente pensa, não são a mesma doença: têm sintomas, causas e tratamentos distintos.

Ambas costumam ter maior prevalência no inverno. Em parte devido à aglomeração de pessoas em locais menos ventilados, o que facilita a disseminação do vírus. Boas medidas preventivas são evitar ambientes com tais características, além da boa alimentação.


Resfriado

O resfriado ocorre mais comumente. Não é grave e dura aproximadamente quatro dias. Um sintoma bem característico é a coriza, inicialmente aquosa e abundante, torna-se, progressivamente, viscosa, espessa e de cor amarelo-esverdeada. Normalmente também apresenta obstrução nasal e tosse, que podem durar até duas semanas. “Espirros, dor de cabeça, dor de garganta, febre baixa, são outros sintomas do resfriado”, completa o dr. Mauro Gomes, Diretor da Comissão de Infecções da Sociedade Paulista de Pneumologia e Tisiologia (SPPT). “É transmitido pelo contato direto pessoa-a-pessoa, por meio das gotículas eliminadas ao falar, tossir ou espirrar”.

Segundo o dr. José Eduardo Cançado, presidente da SPPT, o resfriado é viral, portanto, não há tratamento especifico, pois antibiótico não mata o vírus.

“Quando os antibióticos são empregados com a intenção de prevenir complicações bacterianas, chega-se a um problema e não à solução. Há uma seleção natural de bactérias resistentes aos antibióticos, complicando o quadro clínico”, pondera dr. Mauro Gomes.

O aconselhado é que o paciente repouse e use agasalhos, que melhoram o bem-estar. Analgésicos e antitérmicos devem ser usados, quando necessário e prescritos por um médico especialista, para melhorar a dor de cabeça e a febre. “Não há vacina para o resfriado devido ao grande número de vírus causadores. Um dado importante: não existe evidência científica de que a utilização de vitamina C previna qualquer infecção respiratória”.


Gripe

A gripe é causada por um vírus da família Influenzae, de tipos A, B e C, que sofre constantes mutações. Devido à natureza inconstante do vírus, há o risco de desenvolvimento de compilações até fatais. Isso faz da gripe uma grande ameaça à saúde pública.

Costuma durar mais de uma semana e, além de apresentar os mesmos sintomas do resfriado, tem sintomas como febre alta, dores pelo corpo, fadiga, tosse. Pode comprometer também os brônquios e os pulmões, levando à pneumonia. Outras conseqüências são a sinusite, otite média, descompensação do diabetes mellitus, agravamento de doenças pulmonares crônicas, insuficiência e/ou arritmias cardíacas.

“Os vírus da gripe disseminam-se principalmente pelo ar. Difundem-se por gotículas produzidas durante a tosse, pelos espirros, ao falar e ainda pela auto-inoculação, após o contato das nossas mãos com as superfícies como toalhas, corrimãos, maçanetas etc., previamente contaminadas com secreções respiratórias de pacientes com gripe”, explica o dr. Mauro.

Para a gripe existe a vacina antiinfluenzae, que deve ser tomada no período que antecede o inverno. “É necessário lembrar que a vacina não confere 100% de proteção contra a gripe, mas evita as formas mais graves, diminuindo o índice de mortes por pneumonia”.

Outro fator essencial é o fato de que, devido ao vírus da gripe passar por diversas mutações, a vacina tem de ser tomada todos os anos, além de que os anticorpos produzidos diminuem com o tempo.
 



 

 


Direção e Editoria - Irene Serra