Ano 11 - Semana 547

 

As doenças gengivais se caracterizam por inflama-ção crônica e, segundo vários estudos científicos, estão associadas ao maior risco de problemas cardía-cos. Ainda não se sabe se a existência da doença gengival em si contribui para o problema das artérias coronárias ou se processos infecciosos e inflamatórios subjacentes contribuem tanto para acometimento da gengiva quanto coronárias.
É recomendável higiene bucal adequada, de modo a reduzir a gengivite. Isso inclui atenção aos proble-mas da boca e ida periódica ao dentista.
Prevenção é fundamental.
(Dr. Sergio Vaisman)

 


 

 

  22 de setembro, 2007
 

Mulheres desconhecem males do colesterol

Pesquisa com mulheres latino-americanas mostra que quase 90% delas desconhecem seus níveis de colesterol. Apenas 3% se preocupam em prevenir doenças cardiovasculares.



Embora as doenças cardiovasculares sejam a principal causa de morte de mulheres no mundo, elas não dão a devida atenção aos fatores de risco que causam estas doenças, como o colesterol elevado. Esse é o resultado de uma pesquisa realizada pelo laboratório Merck Sharp & Dohme na América Latina com 900 mulheres de 9 países: Argentina, Brasil, Chile, Colômbia, Costa Rica, Equador, México, Peru e Venezuela.

De acordo com a pesquisa, 87% das mulheres entrevistadas desconheciam os próprios níveis de colesterol e 40% nunca haviam feito esse tipo de exame. Entre as mulheres com mais de 50 anos, a taxa de desconhecimento também foi alta (70%). Esses dados são alarmantes, já que diferentes estudos mostram que, após os 45 anos, os níveis de colesterol são mais altos em mulheres do que em homens.

De acordo com a Global Heart Federation, cerca de 50% das mortes de mulheres acima de 50 anos nos países em desenvolvimento são causadas por doenças cardiovasculares. Outros dados da mesma entidade apontam que mais de 8 milhões de mulheres morrem por ano no mundo em conseqüência de doenças cardiovasculares, como infarto e derrame cerebral. Este número é quase oito vezes mais elevado do que o de mortes por câncer de mama – uma das principais preocupações femininas com a saúde - e seis vezes maior que o de mortes causadas pelo HIV/AIDS. A orientação do AHA (American Heart Association) é de que todos os adultos acima dos 20 anos devem realizar testes de medição de colesterol e triglicérides uma vez a cada cinco anos.

No entanto, os resultados da pesquisa mostram que tal recomendação não é levada em conta porque as mulheres não têm grande preocupação com as doenças cardiovasculares. Na escala de prioridade para prevenção de doenças apontada pelas entrevistadas, o câncer ocupa o primeiro lugar (45%), seguido pelas doenças sexualmente transmissíveis (34%), hipertensão (6%) e, por último, o colesterol, com apenas 3%.


No Brasil

Entre as brasileiras que participaram da pesquisa, 53% apontaram o câncer em primeiro lugar como doença prioritária em termos de prevenção, seguido pelas doenças sexualmente transmissíveis (18%), hipertensão e osteoporose (11%), obesidade (6%) e, por último, o colesterol (2%).

A maioria das brasileiras (68%) também desconhece seus níveis de colesterol. Apesar de 96% das entrevistadas já ter colhido sangue para avaliação do colesterol, na faixa entre 35 a 49 anos o índice de desinformação sobre o tema sobe para 78%.

 

 


 


 

Direção e Editoria - Irene Serra

Se você é da área médica e quer publicar algum artigo, venha fazer parte da nossa equipe