Ano 18 - Semana 895

 


   
ARQUIVO

 


Invista na sua empresa:

 


CREMERJ

Praia de Botafogo (228), loja 119b - Botafogo - RJ
CEP: 22250-040
Tel: (21)3184-7050
E-mail:
www.cremerj.org.br/


CRO-RJ
- R. Araújo Porto Alegre 70 3º ao 5º andar
Centro - RJ
CEP: 20030-015
Tel: (21) 3505-7600
Fax: (21) 2220-3775
http://www.cro-rj.org.br/



 

         10 de junho, 2014
 

 Hipertensão Intraocular



O que é hipertensão intraocular?

As variações da pressão intraocular são devidas ao humor aquoso, um líquido que fica contido entre a íris e a córnea, constituído por 98% de água e 2% de sais, o qual é continuamente produzido e eliminado pelo organismo. É a quantidade desse líquido que dá a pressão intraocular. Se há um desequilíbrio no mecanismo de produção/eliminação a pressão intraocular varia, geralmente no sentido de aumento, gerando uma hipertensão intraocular.

Quais são as causas da hipertensão intraocular?

A pressão intraocular pode aumentar por ocasião do estresse, pela ingestão de certos alimentos, de forma secundária a outras doenças e por causas psicossomáticas ainda pouco conhecidas. Uma forma particular de elevação da pressão intraocular é conhecida como glaucoma, uma doença grave do olho, que pode conduzir a uma lesão do nervo óptico, a uma diminuição da visão e mesmo à cegueira.

No caso de um aumento da pressão intraocular por outras causas, pode não se verificar qualquer diminuição da visão nem lesões no nervo óptico. O aumento da pressão intraocular geralmente é devido a uma obstrução dos canais que drenam o fluido do globo ocular. Desconhecem-se as causas reais que motivam estas obstruções dos canais excretores. Pessoas extremamente míopes ou diabéticas também têm tendência ao aumento da pressão intraocular.

Quais são os principais sinais e sintomas da hipertensão intraocular?

A pressão intraocular pode aumentar de maneira gradativa ou abrupta, devido a um aumento da produção ou dificuldade de escoamento do humor aquoso, podendo gerar consequências oftalmológicas graves, inclusive cegueira. Esse fato assume ainda maior importância porque, quando gradativa, ela pode ser assintomática, a princípio. Mas mesmo assim, ela comprime as células sensoriais da retina e do nervo óptico, podendo levar a prejuízos progressivos da visão. Quando o aumento da pressão intraocular acontece de forma aguda o paciente pode sentir dor nos olhos, fotofobia, dores de cabeça, vômitos e pode ainda ter perda da visão periférica, em razão da afetação das células nervosas. O aumento da pressão intraocular pode ocorrer em qualquer idade, mas é mais evidente a partir dos 40 anos e nos afro-americanos mais que em outras pessoas.

Como o médico diagnostica a hipertensão intraocular?

A pressão intraocular pode ser medida pelo oftalmologista através de um processo simples com a ajuda de um instrumento chamado tonômetro, que pode ser tonômetro de contato ou tonômetro livre de contato. No primeiro, o aparelho é levemente pressionado contra a córnea anestesiada; no outro, o tonômetro gera um impulso de ar que faz deformar a córnea e o oftalmologista mede então o tempo que a córnea necessita para voltar ao seu estado original. Há ainda outras técnicas que permitem medir ou estimar a pressão intraocular. O desconforto causado por ele é mínimo, mas é necessária colaboração do paciente em manter fixo o olhar, pelo que pode ser mais difícil de ser executado em crianças pequenas. Em geral, o exame é simples, rápido e indolor, não durando mais do que cinco minutos. Se o paciente, por qualquer motivo, não permite esses tipos de exames, o médico pode realizar a manobra de colocar os dois dedos indicadores sobre a pálpebra superior, com o paciente de olhos fechados e olhando para baixo, e pressionar o globo ocular, para ter uma noção da pressão intraocular. Embora pouco preciso, esse método pode ser o único exequível, em determinadas circunstâncias. Não há nenhuma restrição pós-exame e o paciente pode voltar de imediato às suas atividades normais. O resultado do exame é fornecido em milímetros de mercúrio (mmHg). A pressão normal varia entre 10 e 20 mmHg.

Como o médico trata a hipertensão intraocular?

Para a maioria dos pacientes, o tratamento é clínico, com a utilização de colírios que reduzem a pressão intraocular, mas para alguns, a solução é cirúrgica. Ao mesmo tempo devem ser tratadas pelos meios adequados as enfermidades que estejam causando a pressão intraocular aumentada.

Como evolui a hipertensão intraocular?

Em virtude de ser assintomática em muitos casos a pressão intraocular elevada deve ser periodicamente monitorada pelo oftalmologista.

Quais são as complicações possíveis da hipertensão intraocular?

A hipertensão ocular não controlada ou tratada pode afetar progressivamente a visão e levar à cegueira.

Fonte: News Med
 

 


 


 

Direção e Editoria - Irene Serra
Webdesigner - Luiz Carlos Guedes


Se você é da área médica e quer publicar algum artigo, venha fazer parte da nossa equipe. 
Seu artigo será bem recebido em riototal@riototal.com.br