Ano 14 - Semana 747



Dores nas costas podem ter causas genéticas
Segundo o pesquisador israelense, prof. Gregory Livshits, da Faculdade de Medicina Sackler, da Uni-versidade de Tel Aviv, os genes têm muito a ver com dores nas costas e cada tipo de dor pode ter diferentes origens gené-ticas.
A nova pesquisa mostra que os genes desempe-nham um papel funda-mental na dor lombar e na deterioração dos discos intervertebrais da coluna vertebral.
Livshits diz que esses dois fenômenos não ocorrem necessariamente juntos e são causados por diferen-tes fatores genéticos.
Livshits e sua equipe ana-lisaram um universo de 2.500 gêmeos, abrangen-do gêmeos idênticos e não-idênticos do sexo fe-minino. Os não-idênticos, que compartilham metade dos genes, foram quase três vezes mais propensos a sofrer de dores nas costas, enquanto que os idênticos, que comparti-lham todos os seus ge-nes, foram seis vezes mais propensos a ter doenças articulares quan-do o irmão sofria delas.
Os resultados deste estudo, realizado com os cientistas do Kings College de Londres, podem ajudar a identificar os diferentes mecanismos envolvidos na dor nas costas e levar a opções de tratamento mais eficaz.


 


 

 

       05 de agosto, 2011
 

A Falsa Polêmica dos Inibidores de Apetite


Antonio Carlos Lopes



Desde o início de 2011, um tema controverso tem ocupado na imprensa páginas e páginas das editorias de saúde e medicina. Trata-se da possibilidade de a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) proibir no Brasil a comercialização e o uso dos inibidores de apetite à base de sibutramina, de anfetamina e derivados.

A discussão tem como ponto de partida uma falsa polêmica. Dizer que tais fármacos possuem efeitos colaterais é algo que os mais antigos classificariam de “chover no molhado”. Até porque todos os medicamentos, sem exceção, os têm, em maior ou menos escala.

Antes de acirrar qualquer debate, portanto, é essencial analisar a questão do ponto de vista da saúde pública. Os inibidores de apetite são importantes no combate à obesidade, hoje uma das principais causas de diabetes, câncer e hipertensão arterial, entre outras enfermidades.

Proibi-los certamente só agravará uma situação já preocupante. Em nosso país, atualmente, mais da metade da população está acima do peso. O número de obesos cresce a cada dia, reproduzindo, aliás, um mal que é mundial.

Claro que não defendemos a utilização indiscriminada, pois, em medicina, a permissividade é inaceitável. Dessa forma, é imperioso que sejam estabelecidos critérios rigorosos de controle. A prescrição deve ser feita apenas do receituário amarelo, retirado nas Secretarias da Saúde. Também é necessária forte fiscalização da Vigilância Sanitária sobre a prescrição destes, para saber como e com quais finalidades estão sendo ministrados.

Por fim, um dos focos da controvérsia deve ser colocado no seu devido lugar. A prescrição médica envolve ciência e arte. Só ciência e só arte não resolvem. Para bem fazê-la, necessitamos de médicos competentes e bem formados, mas esses não estão sobrando no mercado.

Um médico para receitar fármacos assume um compromisso não apenas com a prescrição realizada no momento da consulta, mas também com as suas possíveis complicações e com o dever de saber identificá-las e tratá-las. O grande problema é que muitos que prescrevem não têm a qualificação adequada. Pior, sentem-se na obrigação de fazer o indivíduo emagrecer a qualquer custo, sem nem ter o diagnóstico da causa da obesidade.

Com rigor na formação dos profissionais de medicina, controle na venda e fiscalização sobre abusos, resolveremos o problema, ou boa parte dele. Resta-nos, assim, somente adotar um remédio que sempre faz bem: o bom senso.
 

Antonio Carlos Lopes, presidente da Sociedade Brasileira de Clínica Médica.
 

 

 



    Direção
    IRENE SERRA
     irene@riototal.com.br