Ano 14 - Semana 731


Osteoartrose ou "bico-de-papagaio" é a doença reu-mática mais freqüente en-tre adultos. Ocorre devido a um desgaste na ar-ticulação e, muitas vezes, não causa dor ou inca-pacidade. O tratamento consiste em corrigir a postura, manter o peso adequado, evitar a tensão emocional e praticar exercícios para fortalecer a musculatura da coluna cervical. Quando a doença piora e o paciente apre-senta dormência e ton-teira, o médico pode indicar tração cervical e aplicação de calor. Na fase aguda, pode-se fazer imobilização com colar cervical para diminuir a inflamação. Consulte seu médico e inicie o tra-tamento adequado.
(Theo Cohen, ortopedista)


 


 

 

       16 de abril, 2011
 

Pneumonia


Pneumonias são infecções que se instalam nos pulmões, órgãos duplos localizados um de cada lado da caixa torácica. Podem acometer a região dos alvéolos pulmonares onde desembocam as ramificações terminais dos brônquios e, às vezes, os interstícios (espaço entre um alvéolo e outro).

Basicamente, pneumonias são provocadas pela penetração de um agente infeccioso ou irritante (bactérias, vírus, fungos, protozoários e por reações alérgicas, sendo mais comuns as pneumonias causadas por pneumococos) no espaço alveolar, onde ocorre a troca gasosa. Esse local deve estar sempre muito limpo, livre de substâncias que possam impedir o contacto do ar com o sangue.
Diferentes do vírus da gripe, que é altamente infectante, os agentes infecciosos da pneumonia não costumam ser transmitidos facilmente.

Afeta pessoas de todas as idades, desde que estejam com baixa imunidade: é por tal motivo que é comum ouvirmos casos de pessoas que desenvolveram a pneumonia a partir de uma gripe.

Esta doença pode se instalar quando há a inalação, ingestão de bactérias que se proliferaram na boca, ou condução de patógenos de outras infecções, via corrente sanguínea. No primeiro caso, gotículas de saliva e secreções contaminadas propiciam o contágio.

Tosse com secreção, dores torácicas, febre alta, calafrios, dores de ouvido e respiração curta e ofegante são alguns de seus sintomas. Em idosos, pode haver confusão mental. Não sendo tratada, acúmulo de líquidos nos pulmões e ulcerações nos brônquios podem surgir.

No Brasil, as pneumonias foram a causa básica de 17.220 mortes na faixa etária de 65 anos ou mais, durante o ano de 1996.   No último levantamento do SUS, em 2005, 24.756 óbitos por pneumonia foram registrados, sendo 70% de pacientes com mais de 65 anos.
De acordo com o Serviço de Vigilância Epidemiológica da Fundação Nacional de Saúde (FUNASA), a taxa de hospitalização por gripe e pneumonia em idosos foi de 12,5 por 1.000 habitantes. Os dados de hospitalização do Sistema Único de Saúde (SUS) demonstram que a pneumonia é a terceira causa de internações entre indivíduos com 65 anos de idade ou mais, representando 6,8% do total de internações hospitalares no SUS. É a quinta causa de morte no Brasil.


Sinais e Sintomas
Febre alta, tosse, dor no tórax, alterações da pressão arterial, confusão mental, mal-estar generalizado, falta de ar, secreção de muco purulento de cor amarelada ou esverdeada ou cor de tijolo, às vezes com rajas de sangue, toxemia e prostração.

Para diagnóstico, ausculta dos pulmões e radiografias do tórax são essenciais. Exames de sangue e de catarro podem ser solicitados, a fim de identificar o agente causador da doença e se buscar o tratamento mais adequado. Geralmente, antibióticos são receitados e, em alguns casos - como os de pacientes idosos, manifestação de febre alta e alterações clínicas - é necessária a internação. Uma dieta apropriada e o isolamento do indivíduo doente são medidas igualmente importantes: o primeiro visando à recuperação do sistema imune da pessoa comprometida e o segundo a fim de evitar o contágio. Ficar em repouso é necessário.

Gripes que persistem por mais de uma semana e febre persistente devem ser motivo de atenção. Não fumar nem beber exageradamente, alimentar-se bem, ter bons hábitos de higiene, sempre fazer a manutenção dos ares-condicionados e evitar a exposição a mudanças bruscas de temperatura são medidas preventivas.

Vale lembrar que, para pneumonia, há vacina (a mesma indicada para meningite) e que esta, aliada à vacina contra o vírus influenza, são necessárias em caso de idosos, soropositivos, asplênicos, alcoólicos e demais pessoas com sistema imune debilitado.


Fatores de Risco
Idade Avançada/Idosos
Fumo: Provoca reação inflamatória que facilita a penetração de agentes infecciosos;
Álcool: Interfere no sistema imunológico e na capacidade de defesa do aparelho respiratório;
Ar-condicionado: deixa o ar muito seco, facilitando a infecção por vírus e bactérias;
Mudanças bruscas de temperatura;
Alergias Respiratórias e Pneumoconioses;
Internações de longa data (em pacientes acamados);
Insuficiência Cardíaca;
Colonização da Orofaringe;
Aspiração (micro e macro);
Cirrose Hepática;
Deficiência Nutricional;
Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica (DPOC).


Recomendações / Prevenção

Não fume e não beba exageradamente;
Observe as instruções do fabricante para a manutenção do ar-condicionado em condições adequadas, limpando-o regularmente;
Não se exponha a mudanças bruscas de temperatura;
Procure atendimento médico para diagnóstico precoce de pneumonia, para diminuir a probabilidade de complicações.
Se tiver mais de 60 anos vacine-se contra a gripe anualmente.
Está disponível também a vacina contra o pneumococo, o principal agente causador da pneumonia. Ela está indicada para pessoas com maior risco de adquirir a doença e de ter suas complicações: pessoas com doenças crônicas pulmonares, cardíacas, renais, diabéticas, residentes de asilos e pessoas com 60 anos ou mais;
Em pessoas acamadas e/ou com mais de 60 anos (que não realizam nenhuma atividade física) recomenda-se que se faça Tratamento Fisioterápico Preventivo (duas ou três sessões por semana), a fim de manter uma boa condição pulmonar destes indivíduos.
Não tome remédio sem receita médica.

O tratamento das pneumonias requer o uso de antibióticos, antimicóticos ou antivirais em caso de origem bacteriana, fúngica ou viral, respectivamente. A melhora costuma ocorrer em três ou quatro dias. A internação hospitalar pode fazer-se necessária quando o paciente é idoso, tem febre alta ou apresenta alterações clínicas decorrentes da própria pneumonia, tais como: comprometimento da função dos rins e da pressão arterial, dificuldade respiratória caracterizada pela baixa oxigenação do sangue porque o alvéolo está cheio de secreção e não funciona para a troca de gases.

 



    Direção
    IRENE SERRA
     irene@riototal.com.br