Ano 16 - Semana 809
 


Ajudando a prevenir

Nossa primeira linha de defesa contra resfriados ou gripes resume-se em lavar as mãos. A maioria das infecções viróticas causadoras de gripes ocorre por transmissões mãos-boca, mãos-nariz e mãos-olhos. As pessoas costumam tocar a face centenas de vezes por dia sem perceberem que o fazem e, com isso, facilitam a infecção.
Não devemos nos es-quecer que surtos de res-friados e gripes ocorrem não apenas em baixas temperaturas. Muitos vírus se espalham também no calor e, por isso, é impe-rioso o costume de se la-var as mãos varias vezes ao dia e não devemos nos esquecer de insistir com as crianças para que se habituem a fazer o mesmo. Desta forma, não impediremos a propaga-ção de surtos viróticos por completo mas, certamen-te, conseguiremos agir melhor na prevenção.
(Dr. Sergio Vaissman)


CREMERJ
Praia de Botafogo, 228 Botafogo - CEP: 22359900 Telefone: (21)
2559-0018, 2559-3899
E-mail:
www.cremerj.com.br/



CRO-RJ
R. Araújo Porto Alegre 70, 4º e 5 andar
Castelo - CEP: 20030015
Tel: (21) 2533-7173
www.cro-rj.org.br

 



 

 

 

    19 de outubro, 2012
---

Mitos atrapalham o desmame e
causam prejuízos para mãe e para o bebê

foto Mireles Flores

Sociedade de Pediatria do RS alerta para os cuidados na busca de corretas informações sobre esse assunto fundamental


O tema da amamentação é recheado de mitos e incertezas. Um dos maiores causadores de dúvidas é saber até quando o bebê deve se alimentar do leite materno no seio da mãe. Pressões sociais acabam atrapalhando esse processo. Segundo a pediatra membro do Comitê de Aleitamento Materno da Sociedade de Pediatria do Rio Grande do Sul, Silvana Salgado Nader, infelizmente esse processo acontece, muitas vezes, quando nem a mãe e nem o bebê estão prontos para o desmame.

- É importante ressaltar que não existe prejuízo para o corpo da mulher ou para a saúde do bebê se a mãe amamentar dois ou mais anos. Se o bebê recebe alimentação complementar adequada, não terá prejuízo em sua nutrição - explica.

Segundo a médica existem vários mitos sobre a amamentação chamada de "prolongada". Um deles é de que o aleitamento materno, por mais de um ano, seria prejudicial para a criança sob o ponto de vista psicológico. Ou ainda, de que a criança possa ficar dependente.

A recomendação da Organização Mundial da Saúde (OMS) e do Ministério da Saúde em relação ao tempo de aleitamento materno exclusivo é até o sexto mês de vida e sua manutenção, com complementos, até o segundo ano de vida ou mais.

O aleitamento materno traz benefícios para a mãe e para o bebê. Estudos comprovam que o bebê amamentado apresenta um melhor desenvolvimento da inteligência, melhor desenvolvimento gastrointestinal, menos diarreia, infecção urinária, infecção respiratória e otites (infecção nos ouvidos). A mãe que amamenta tem chance reduzida de ter câncer de mama, certos tumores de ovário, menos osteoporose na menopausa e menos fraturas ósseas. Além disso, sabe-se que a mulher que amamenta retorna mais rápido seu peso anterior á gravidez. O outro fator determinante é o afeto.

- O aleitamento materno permite uma melhor comunicação entre mãe e filho, favorecendo um importante vínculo no relacionamento entre os dois e auxilia a mãe a conhecer melhor as reações de seu filho - completa a pediatra.

O desmame deve ser um processo natural que faz parte da evolução da mulher como mãe e do desenvolvimento da criança, assim, deve ocorrer naturalmente. É importante ressaltar que os alimentos complementares devem ser iniciados após os seis meses de idade, para suprir as necessidades nutricionais e aproximar gradativamente aos hábitos alimentares da família.
 

Marcelo Matusiak, RS

 

 



Seu artigo será bem recebido em riototal@riototal.com.br

Direção
IRENE SERRA
irene@riototal.com.br