Ano 15 - Semana 770
 


Dieta do Mediterrâneo e Saúde
No ano novo, muitos con-ceitos de vida são rea-valiados e isto inclui mu-danças alimentares com finalidade de aprimorar a saúde. Já sabemos que, segundo muitos estudos científicos, a DIETA DO MEDITERRÂNEO pode con-tribuir para a melhora de todo o organismo e ela se compõe basicamente de vegetais variados, frutas, peixe, nozes, raízes e azeite de oliva.
Recentemente, pesquisa-dores suecos publicaram numa revista médica europeia- AGE – que essa maneira de se alimentar não apenas diminui os riscos de desenvolvimento de doenças crônicas e potencialmente fatais co-mo também aumenta o tempo de vida das pes-soas. Em estudos a res-peito desse tema, con-cluiu-se que, por se tratar de dieta de baixa caloria, também colabora com a jovialidade do cérebro, re-tardando sua degeneração à medida que a idade avança.
Pensando em tudo isto, será que não seria um bom momento para re-fletir e fazer mudanças saudáveis na alimen-tação?
(Dr. Sergio Vaisman)
 

 


 

 

      13 de janeiro, 2012
 

Verão é o Período mais Crítico de Afogamentos

Risco é maior entre os mais jovens e entre crianças do sexo masculino


Dezembro, janeiro e fevereiro são os meses em que mais pessoas morrem por causa de afogamentos. Levantamento do Ministério da Saúde indica que, em 2010, mais de 5,4 mil pessoas morreram afogadas ao longo do ano, sendo que 2 mil óbitos no período em que a maioria dos brasileiros tira férias. “É preciso identificar pontos e situações de risco para que seja feita a devida sinalização e, além disso, é preciso que as pessoas fiquem atentas para evitar tragédias”, recomenda o diretor adjunto do Departamento de Análise de Situação de Saúde, Juan Escalante.

Estudo do Ministério da Saúde indica que Afogamentos estão entre as dez principais causas de morte por violência ou acidentes, em todas as capitais da região Norte e em seis capitais do Nordeste, além de Campo Grande, Cuiabá e Goiânia. Cerca de 51% das vítimas têm menos de 30 anos de idade e 8% estão abaixo dos cinco anos (dados preliminares de 2010 para o Brasil).
O afogamento é a segunda causa de morte acidental entre meninos de 5 a 14 anos. “O risco é maior em áreas onde se pratica atividades recreativas na água, mas até a piscina doméstica e a banheira podem trazer risco”, alerta Juan Escalante.

Mesmo que a morte não seja imediata, o acidente pode tornar-se fatal ao resultar em problemas respiratórios devidos à aspiração de líquido ou a infecções adquiridas. Quem aspira líquido pode apresentar queda da temperatura do corpo, distensão do abdome, tremores, dores musculares, náuseas e vômitos. Casos mais graves podem acarretar em parada cardíaca e morte.

Prevenir é o primeiro passo, algumas medidas simples podem evitar que o pior aconteça:
Bebês - Jamais os deixe sozinhos no banho ou próximos a qualquer aglomeração líquida. O mínimo de água acumulada (um balde, vaso ou pia) pode ser suficiente para um bebê se afogar.
Crianças - Mesmo estando maiores, para elas se aplicam as mesmas recomendações anteriores. Além disso, devemos despertar nelas o interesse por sua própria segurança, evitando entrar na água sem a supervisão de um adulto, não nadar em locais profundos ou de muita correnteza, não saltar de trampolins, etc. Além disso, é altamente recomendável matriculá-las em um curso de natação.
Adultos - É preciso que este tenha noção de suas habilidades e limitações. Evitando nadar quando suas funções estiverem comprometidas pelo uso de álcool, medicamentos, drogas ou alguma enfermidade, pois provocam a diminuição da concentração, piora dos reflexos e perda de equilíbrio, aumentando assim as possibilidades de afogamento. Deve-se se também evitar nadar sozinho em áreas desconhecidas e não supervisionadas. Caso seja pego por uma correnteza, deve-se nadar diagonalmente através dela, nunca contra.

Como proceder ao localizar uma vítima de afogamento

1) Tenha em mente que sua segurança é mais importante que a de quem está se afogando. Atitudes impensadas não darão em nada e poderão resultar em duas vítimas ao invés de nenhuma, que é o que pretendemos

2) Jogue algum objeto para a vítima se apoiar, uma bóia, colete salva vidas, um pedaço de madeira ou corda. Dê preferência a algo em que ela possa se prender, ou ser presa, para ser puxada para fora

3) Tendo à disposição um barco ou canoa, aproxime-se da vítima para lançar tais objetos. Caso a estabilidade da embarcação seja duvidosa, jamais traga a vitima a bordo, pois seus movimentos bruscos advindos do desespero podem virar o barco. Prefira arrastá-la até a margem

4) Se as dicas acima não derem certo, utilize como último recurso entrar na água. Só o faça se tiver grande habilidade em natação. O socorrista deve visualizar a vítima bem como ter certeza de que a vitima o está visualizando.

5) Abordagem verbal: Quando estiver a aproximadamente três metros da vítima, identifique-se de modo a acalmá-la. Peça então que ela fique de costas pra você, de modo a realizar uma aproximação segura e sem riscos

6) Abordagem física: Dê algo em que a vítima possa se apoiar, ou então a agarre por trás imobilizando seus braços, de modo a evitar que ela se debata atrapalhando o resgate. Nunca permita que a vítima o agarre. Utilize seu braço destro para nadar e o outro para segurar a pessoa

7) Leve-a até a margem.

8) Caso você não tenha visto como ocorreu o acidente, parta sempre do pré-suposto de que a vítima sofreu algum tipo de lesão na coluna, portanto deve ser retirada da água do modo mais imóvel possível.

9) Caso seja necessário e você esteja preparado realize uma respiração boca a boca.

10) Chame o resgate (SAMU, Corpo de Bombeiros, Polícia) o mais rápido possível.


SAMU 192– O Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU 192) presta serviço também em caso de afogamento. O serviço faz parte da estratégia Saúde Toda Hora e ajuda a organizar o atendimento na rede pública prestando socorro à população em casos de emergência. O SAMU realiza o atendimento de urgência e emergência em qualquer lugar: residências, locais de trabalho e vias públicas, contando com as Centrais de Regulação, profissionais e veículos de salvamento.

A ligação feita para o número 192 é atendida por técnicos que identificam a emergência e, imediatamente, transferem o telefonema para o médico regulador. Esse profissional faz o diagnóstico da situação e inicia o atendimento no mesmo instante, orientando o paciente, ou a pessoa que fez a chamada, sobre as primeiras ações.

 



    Direção
    IRENE SERRA
     irene@riototal.com.br