Ano 22 - Semana 1.147 

 

 
   
ARQUIVO

 

 



CREMERJ
Praia de Botafogo, 228 Botafogo - CEP: 22359900 Telefone: (21)
2559-0018, 2559-3899
E-mail:
www.cremerj.com.br/
 


CRO-RJ
R. Araújo Porto Alegre 70, 4º e 5 andar
Castelo - CEP: 20030-015
Tel: (21) 2533-7173
www.cro-rj.org.br
 

 

 

 

Se você é da área médica e quer publicar algum artigo, venha fazer parte da nossa equipe.


class=



1º de novembro, 2019

anti-hipertensivos


A ingestão de anti-hipertensivos na hora de dormir reduz risco cardiovascular,
segundo estudo publicado no European Heart Journal




O Hygia Chronotherapy Trial, um estudo realizado no âmbito de atendimentos clínicos na atenção primária à saúde, foi projetado para testar se a ingestão de medicamentos anti-hipertensivos na hora de dormir, em comparação com a ingestão habitual após o despertar, exerce melhor redução do risco de doenças cardiovasculares (DCV).

Neste estudo prospectivo, multicêntrico, controlado, 19.084 pacientes hipertensos (10.614 homens / 8.470 mulheres, 60,5 ± 13,7 anos) foram designados (1:1) para ingerir toda a dose diária de ≥1 medicamentos para hipertensão ao deitar (n=9.552) ou todos eles ao acordar (n=9.532). Na inclusão e em todas as visitas agendadas à clínica (pelo menos anualmente) durante o acompanhamento, a monitorização ambulatorial da pressão arterial (MAPA) foi realizada por 48 horas.

Durante o acompanhamento médio dos pacientes por 6,3 anos, 1.752 participantes sofreram o resultado primário de DCV (morte por DCV, infarto do miocárdio, revascularização coronariana, insuficiência cardíaca ou acidente vascular cerebral).

Os pacientes que ingeriram suas medicações na hora de dormir, comparados ao regime de ingestão ao acordar, durante o tratamento, apresentaram uma taxa de risco significativamente menor — ajustada para características influentes significativas como idade, sexo, diabetes tipo 2, doença renal crônica, tabagismo, colesterol HDL, pressão arterial (PA) sistólica média durante o sono, declínio sistólico relativo da PA no período de sono e evento cardiovascular anterior — de resultado primário de DCV [0,55 (IC 95% 0,50-0,61), p < 0,001] e de cada um de seus componentes únicos (p < 0,001 em todos os casos), ou seja, morte por DCV [0,44 (0,34-0,56)], infarto do miocárdio [0,66 (0,52-0,84)], revascularização coronariana [0,60 (0,47-0,75)], insuficiência cardíaca [0,58 (0,49-0,70)] e derrame [0,51 (0,41-0,63)].

Neste estudo concluiu-se que a ingestão rotineira pelos pacientes hipertensos de ≥1 medicamentos prescritos para baixar a pressão arterial na hora de dormir, ao invés da ingestão ao acordar, resulta em melhor controle da pressão arterial (diminuição significativamente aprimorada da pressão arterial durante o sono e aumento do declínio relativo da pressão arterial no sono) e, mais importante, ocorrência acentuadamente diminuída dos principais eventos cardiovasculares..

 

 


Direção e Editoria
IRENE SERRA
irene@riototal.com.br