Ano 20 - Semana 1.037

 


ARQUIVO
Você sabia?

 



 

   15 de julho, 2017
---

Cientista russo revela o que ocorre conosco
 após a morte

 

Yuri Serdiukov é doutor em filosofia e neurocientista com formação na Rússia, país onde nasceu. Por anos, se dedicou à analise de processos psíquicos e fisiológicos da morte clínica.

Por conta desses estudos, Yuri é um dos mais respeitados especialistas da área. E em uma conferência internacional sobre neurofilosofia, que ocorreu na Universidade Estatal de Moscou, ele explicou o que ocorre com nosso cérebro após a morte.

Segundo o cientista, é justamente nesse ponto que nossa experiência de morte se relaciona com a ideia de paraíso e inferno.

Após morrermos, nossa atividade cerebral se mantém ativa por tempo indeterminado, explica Yuri.

Assim, nesses estados, o sujeito acaba perdendo sua capacidade lógica e verbal, mergulhando num profundo estado onírico prolongado, que é criado por atividade espontânea de nosso cérebro. Os conteúdos variam de pessoa a pessoa, de acordo com sua condição psíquica.

Por conta disso, afirma ele, certas experiências relatadas por pacientes que chegaram ao estado de quase-morte são relatadas como prazerosas e outras como mais obscuras.

O cientista russo ainda afirma que é possível treinar nosso cérebro para termos uma morte prazerosa. Ele ressalta, ainda, que uma vez que não há existência de noção de tempo nesse estado, essa experiência pode parecer infinita.


Enviado por Alberto Cohen



Editoria: Irene Serra
irene@riototal.com.br