O ÓRGÃO DO CONVENTO 
I

Aos 2 de dezembro de 1758, o Definitório Provincial tomou providências para executar a ordem do Ministro Geral que prescrevia o cantochão acompanhado de órgão em todos os conventos. Por este motivo Frei Manoel de Santa Teresa Veloso mandou montar no coro um órgão em estilo barroco, que foi um dos melhores daquele tempo.

Cinqüenta anos mais tarde, quando Frei Antônio Agostinho de Sant’Ana era guardião (1805-1808), teve que ser totalmente reformado na parte externa. Em 1823 precisou de novos consertos. Finalmente foi substituído pelo ‘’órgão atual, inaugurado aos 6 de março de 1932. Fabricaram-no dois técnicos alemães, Berner e Moehler, na oficina que instalaram no salão sobre o Mausoléu. Eles foram contratados por Frei Justo Scheidgen, mas quem inaugurou o órgão foi Frei Libório Grewe.

É um órgão elétrico. Seus tubos são distribuídos nas paredes laterais da Igreja em caixas desenhadas e fabricadas pelo marceneiro Roque Vieira e ornadas com talhas feitas por um profissional, cujo nome não foi anotado. Do material do antigo órgão só foram aproveitados os seis anjos que ornam as caixas.

Frei Albano Marciniszyn, O.F.M.

 
 
     
  Rio Total